ONU pede medidas inéditas para evitar piores efeitos do aquecimento global

Relatório do IPCC disse que no ritmo de aquecimento atual as temperaturas globais subiriam 1,5ºC entre 2030 e 2052

Coreia do Sul - A sociedade terá que adotar mudanças "inéditas" na maneira como consome energia, viaja e constrói para cumprir uma meta de aquecimento global menor, ou corre o risco de aumentos nas ondas de calor, tempestades causadoras de enchentes e chances de seca em algumas regiões, além da perda de espécies, alertou um relatório da ONU nesta segunda-feira.

Manter a elevação da temperatura da Terra em somente 1,5 grau Celsius, ao invés dos 2ºC combinados nas negociações do Acordo de Paris de 2015, teria "benefícios claros para as pessoas e os ecossistemas naturais", disse o Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática das Nações Unidas (IPCC), nesta segunda-feira, em um comunicado que anunciou o lançamento do relatório.

O relatório do IPCC disse que, no ritmo de aquecimento atual, as temperaturas globais provavelmente subiriam 1,5ºC entre 2030 e 2052 após um aumento de 1ºC acima dos níveis pré-industriais desde meados do século 19.

Preservar a meta de 1,5ºC manteria a elevação do nível do mar em todo o mundo 0,1 metro menor do que com uma meta de 2ºC até 2100, afirma o documento. Isso pode diminuir as enchentes e dar tempo para os habitantes dos litorais, ilhas e deltas de rios do planeta se adaptarem à mudança climática.

A meta menor também reduziria a perda e extinção de espécies e o impacto sobre ecossistemas terrestres, litorâneos e de água doce, disse o relatório.

"Havia dúvida se seríamos capazes de diferenciar impactos desencadeados com 1,5ºC e que apareciam tão claramente. Até os cientistas ficaram surpresos de ver quanta ciência já havia ali e o quanto podiam diferenciar e quão grandes são os benefícios de se limitar o aquecimento global em 1,5ºC comparado a 2ºC", disse Thelma Krug, vice-presidente do IPCC, à Reuters em uma entrevista.

"E agora mais do que nunca sabemos que todo e qualquer aquecimento importa", disse Thelma.

O IPCC se reuniu na semana passada em Incheon, na Coreia do Sul, para finalizar o relatório, preparado a pedido dos governos em 2015 para avaliarem a possibilidade e a importância de limitar o aquecimento global a 1,5ºC.

O relatório é visto como o principal guia científico para os formuladores de política dos governos decidirem como implantar o Acordo de Paris de 2015 durante a Conferência sobre a Mudança Climática de Katowice, na Polônia, em dezembro.

Para manter o aquecimento em 1,5ºC, as emissões humanas de dióxido de carbono (CO2) teriam que recuar em cerca de 45 por cento até 2030 em comparação com os níveis de 2010 e chegar a "quase zero" até a metade do século. Quaisquer emissões adicionais exigiriam retirar o CO2 do ar.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.