A página inicial está de cara nova Experimentar close button

ONU mostra pouco progresso na investigação nuclear no Irã

Obtido pela Reuters, relatório confidencial trimestral da AIEA diz que Irã falhou em atender a questões-chave sobre pesquisa nuclear até o prazo de 25 de agosto

Viena - A agência nuclear da ONU disse nesta sexta-feira que houve pouco progresso substancial até agora em sua investigação de longa duração sobre pesquisas nucleares iranianas, que estão sob suspeita de serem voltadas para a fabricação de uma bomba.

A constatação é um revés para as esperanças de se pôr fim a um impasse sobre a atividade atômica do país.

A falta de mudanças na investigação da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) irá decepcionar o Ocidente e poderia complicar ainda mais os esforços de seis potências mundiais para negociar uma solução para uma disputa de dez anos com o Irã sobre seu programa nuclear.

Obtido pela Reuters, o relatório confidencial trimestral da AIEA diz que o Irã falhou em atender a questões-chave sobre a pesquisa nuclear - reveladas por agências de inteligência ocidentais anos atrás - até o prazo de 25 de agosto, definido em um acordo.

Além disso, o relatório afirma que a República Islâmica havia implementado apenas três das cinco etapas de um acordo de construção de confiança firmado com a AIEA, cuja sede é em Viena.

O Irã, onde um presidente moderado assumiu o cargo há um ano e reviveu a diplomacia com o Ocidente na área nuclear, também disse à AIEA que as suspeitas sobre a natureza de seu programa são "meras alegações e não merecem consideração", diz o texto.

A AIEA também afirma no relatório ter observado por meio de imagens de satélite "atividade de construção em curso" na base militar de Parchin, no Irã.

Autoridades ocidentais acreditam que o Irã tenha realizado no local testes de explosivos que seriam relevantes no desenvolvimento de uma arma nuclear, mas que o país vem procurado "limpar" as provas.

O Irã nega há muito tempo acesso de inspetores nucleares da ONU à base.

Uma informação do relatório que será recebida de modo positivo pelas grandes potências é o corte do estoque iraniano de urânio pouco enriquecido - potencial combustível para bombas - 8.475 quilos em maio para 7.655 quilos em agosto.

O Irã fechou um acordo provisório com as potências em novembro, pelo qual se comprometeu a reduzir alguns aspectos sensíveis de seus avanços nucleares.

O país nega que pretenda desenvolver a capacidade de fabricar armas nucleares com base em seu programa de enriquecimento de urânio e diz que sua meta é apenas produção de energia e uso medicinal.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também