Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

ONU exige provas do paradeiro da tenista chinesa Peng Shuai

Atleta desapareceu após ter acusado uma ex-autoridade da China de ter forçado relações sexuais

A ONU exigiu nesta sexta-feira (19) provas sobre o estado de saúde e o paradeiro da tenista chinesa Peng Shuai, que desapareceu após ter acusado uma ex-autoridade do país de tê-la forçado a manter relações sexuais.

"Seria importante ter provas de onde ela está e saber se ela está bem. Solicitamos veementemente que uma investigação seja realizada com total transparência sobre suas acusações de agressão sexual", declarou uma porta-voz do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, Liz Throssell, durante uma coletiva de imprensa em Genebra.

"Pedimos uma investigação com total transparência. Isso deve ser o caso para todas as acusações de agressão sexual", insistiu Liz, destacando que "as agressões sexuais existem em todas as sociedades".

  • Assine a EXAME e acesse as notícias mais importantes em tempo real.

Peng Shuai, de 35 anos, acusou nas redes sociais o ex-vice-primeiro-ministro Zhang Gaoli - que de 2013 a 2018 foi um dos sete políticos mais poderosos da China - de tê-la forçado a ter relações sexuais há três anos e de tê-la feito sua amante.

"Queremos enfatizar que é importante saber onde ela está, em que estado está e como está", repetiu Throssell.

Nos últimos dias, várias personalidades do tênis mundial expressaram sua preocupação com Peng Shuai no Twitter, usando a hashtag #WhereIsPengShuai.

A denúncia de Peng Shuai, que já foi campeã de duplas em Wimbledon e Roland Garros, rapidamente desapareceu das redes sociais chinesas.

O canal estatal CGTN, porém, divulgou uma captura de tela no Twitter de um e-mail atribuído a Peng e supostamente destinado a Steve Simon, diretor da WTA, e outros executivos da associação de tênis feminino.

Na mensagem supostamente enviada por  Peng, ela afirma que as acusações de abusos sexuais "não eram verdadeiras" e que está "descansado em casa e está tudo bem".

O 'e-mail' não acalmou a situação e provocou ainda mais dúvidas pela linguagem supostamente utilizada pela tenista chinesa e pelo fato de que aparece um cursor de edição no corpo do texto.

A WTA exigiu uma investigação "transparente e justa" das acusações feitas pela atleta. Seu diretor, Steve Simon, destacou na rede CNN a possibilidade de retirar as competições do país.

"Estamos prontos para retirar nosso negócio e enfrentar todas as complicações derivadas, porque isso é mais importante do que negócios", disse Simon.

O caso de Peng continua censurado na internet da China.

A censura chinesa suprimiu qualquer rastro das acusações de Peng nas redes sociais, especialmente as referências em declarações da WTA e da ATP, o circuito masculino, que também manifestou seu apoio.

A Associação Nacional de Tênis da China não respondeu aos pedidos de comentários da AFP sobre o caso.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também