Acompanhe:

ONG alerta sobre aumento da insegurança alimentar por mudança climática

A Oxfam convocou os negociadores de Durban, na abertura da COP17, a se comprometer com a renovação do Protocolo de Kyoto

Modo escuro

Continua após a publicidade
O estudo cita como exemplo a seca no Chifre da África, que causou a maior crise humanitária das últimas décadas (Roberto Schmidt/AFP)

O estudo cita como exemplo a seca no Chifre da África, que causou a maior crise humanitária das últimas décadas (Roberto Schmidt/AFP)

D
Da Redação

Publicado em 29 de novembro de 2011 às, 18h53.

Durban - A ONG Oxfam alertou nesta segunda-feira para o aumento da insegurança alimentar no mundo devido aos fenômenos meteorológicos extremos que podem estar relacionados à mudança climática.

A Oxfam fez a advertência em um estudo apresentado nesta segunda-feira em Durban (África do Sul), na abertura da cúpula da ONU sobre mudança climática (COP 17), que termina em 9 de dezembro.

Em comunicado, a ONG ressaltou que vários fenômenos meteorológicos extremos contribuíram para a insegurança alimentar em escala global, regional e local desde 2010.

O aumento progressivo da frequência e a severidade destes episódios, segundo a nota, 'vão agravar o impacto da mudança climática nas colheitas e nos preços dos alimentos, provocando a escassez de comida, desestabilizando os mercados e precipitando a alta dos preços'.

O estudo cita como exemplos a seca no Chifre da África, que causou a maior crise humanitária das últimas décadas, os tufões do sudeste asiático, no Vietnã e Tailândia, assim como os incêndios em Rússia e Ucrânia.


Durante estes incidentes, de acordo com a Oxfam, os preços dos alimentos, especialmente de cereais como trigo e o arroz, aumentaram entre 60 e 80%, e chegaram a 393% no caso das plantações de sorgo na Somália.

A ONG reconheceu que é difícil relacionar estes desastres naturais com a mudança climática, mas assegurou que, de acordo com o Grupo Intergovernamental de Analistas sobre a Mudança Climática (IPCC, na sigla em inglês), os fenômenos extremos devem aumentar em frequência e intensidade se não forem tomadas as medidas necessárias.

A organização destacou o impacto desses desastres nas populações mais pobres, que gastam cerca de 75% de sua renda em comida. Essas pessoas 'devem lidar com a alta dos preços dos alimentos ao mesmo tempo em que enfrentam a destruição de seus lares e meios de subsistência', afirmou Kelly Dent, diretora global da ONG.

A Oxfam convocou os negociadores de Durban a se comprometer com a renovação do Protocolo de Kyoto, único acordo juridicamente vinculado adotado em 1997 que fixa objetivos para reduzir a emissão de gases causadores do aquecimento global. 

Últimas Notícias

Ver mais
Crise no Haiti: ONU diz que quase 100 mil pessoas fugiram de Porto Príncipe por violência de gangues
Mundo

Crise no Haiti: ONU diz que quase 100 mil pessoas fugiram de Porto Príncipe por violência de gangues

Há 11 horas

Oceanos mais quentes levantam dúvida: subestimamos as mudanças climáticas?
ESG

Oceanos mais quentes levantam dúvida: subestimamos as mudanças climáticas?

Há 15 horas

México pede ao Tribunal de Haia que Equador seja suspenso da ONU
Mundo

México pede ao Tribunal de Haia que Equador seja suspenso da ONU

Há 19 horas

Com goleada da fiel torcida, Corinthians e Gerando Falcões buscam renda para mulheres de favela
ESG

Com goleada da fiel torcida, Corinthians e Gerando Falcões buscam renda para mulheres de favela

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais