Mundo

Olaf Scholz pede reformas na UE, com foco em acordos comerciais e sobre imigrantes

Falando no Parlamento Europeu, Scholz afirmou que o fortalecimento da soberania militar e tecnológica da UE e fontes independentes de commodities cruciais fortaleceriam os laços do bloco

Scholz: Os esforços para reconstruir a Ucrânia, outro país que deseja se unir ao bloco, necessitarão vontade "política e capital financeiro ao longo do tempo" (Sean Gallup/Getty Images)

Scholz: Os esforços para reconstruir a Ucrânia, outro país que deseja se unir ao bloco, necessitarão vontade "política e capital financeiro ao longo do tempo" (Sean Gallup/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 9 de maio de 2023 às 13h31.

O chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, pediu nesta terça-feira, 9, que a União Europeia enfrente desafios políticos, econômicos e estratégicos, no momento em que o bloco busca realizar uma série de reformas, entre elas unir esforços em licitações em defesa, buscar novos acordos comerciais e resolver longas disputas sobre imigração de fora do bloco.

Falando no Parlamento Europeu, Scholz afirmou que o fortalecimento da soberania militar e tecnológica da UE e fontes independentes de commodities cruciais fortaleceriam os laços do bloco com seu parceiro mais próximo, os Estados Unidos. Segundo ele, é importante a UE manter sua promessa em relação a membros em potencial, como países do oeste dos Bálcãs, enquanto garante que eles realizem reformas necessárias para poder se unir ao bloco.

Reconstrução da Ucrânia

Os esforços para reconstruir a Ucrânia, outro país que deseja se unir ao bloco, necessitarão vontade "política e capital financeiro ao longo do tempo", disse, acrescentando que uma Ucrânia próspera e democrática será o mais forte contraponto "às políticas imperialistas, revisionistas e ilegais no nosso continente" do presidente da Rússia, Vladimir Putin.

Scholz disse que a rivalidade e a competição com a China tem crescido recentemente, mas advertiu contra esforços para desvincular o bloco de seu principal parceiro comercial. Ele argumentou por uma redução de riscos "inteligente", que minimizaria o prejuízo às economias europeias caso as tensões com Pequim se agravem.

O chanceler ainda apoiou pedidos por "proteção eficaz das fronteiras externas", mas pediu que os membros do bloco considerem também os benefícios da imigração, com muitas partes do continente precisando de trabalhadores de fora do bloco. Uma reforma no sistema de asilo da Europa deve ocorrer antes das eleições do próximo ano para o Parlamento Europeu, defendeu Scholz

Acompanhe tudo sobre:Olaf ScholzAlemanhaUnião Europeia

Mais de Mundo

Mais de 10 mil migrantes cruzaram o Canal da Mancha desde o início do ano, um recorde

Israel tem a intenção de retomar negociações sobre Gaza esta semana, diz agência

Quatro anos após o assassinato de George Floyd, seu irmão ainda tem pesadelos

Em crise, Butão quer reerguer economia através da 'felicidade bruta'

Mais na Exame