Mundo

Nova York planeja vacinar turistas de graça

Como explicou o prefeito da cidade, Bill de Blasio, na última quinta-feira, 6, a ideia é que o governo de Nova York ofereça aos turistas doses grátis da vacina da Johnson & Johnson

Estátua da Liberdade, Nova York (Kyle Reid/Getty Images)

Estátua da Liberdade, Nova York (Kyle Reid/Getty Images)

A cidade de Nova York, nos EUA, está planejando disponibilizar gratuitamente vacinas contra a Covid-19 para turistas não americanos, informou o governo municipal nesta semana.

Segundo explicou o prefeito da cidade, Bill de Blasio, na última quinta-feira, 6, a ideia é que o governo da cidade ofereça aos turistas doses grátis da vacina da Johnson & Johnson. Ainda de acordo com de Blasio, a vacinação desse grupo de pessoas seria feita a partir de vans espalhadas em diversos pontos emblemáticos da Big Apple, como a Times Square, o Central Park e a ponte do Brooklyn.

Ainda que a declaração fomente esperança naqueles que buscam o "turismo de vacinas", a decisão ainda precisa ser aprovada pelo Estado de Nova York - algo que o prefeito espera que seja feito durante esse final de semana. Entretanto, a Secretária de de Saúde do estado disse que ainda não recebeu um plano formal para revisão.

De Blasio definiu o programa como uma mensagem positivas aos turistas. "Venham aqui. É seguro e é um ótimo lugar para se estar. Vamos cuidar de vocês". Ao espalhar os postos de vacinação pela cidade em pontos estratégicos, de Blasio une política de saúde pública com fomento ao turismo em Nova York.

O prefeito democrata ainda explicou que a cidade não planeja rastrear o status de vacinação dos turistas que optarem por receber a vacina em Nova York, e a ideia é reforçada com a escolha do imunizante que deve ser aplicado: a vacina de dose única da farmacêutica Johnson & Johnson, que dispensa um retorno do vacinado para a aplicação da dose de reforço.

Embora muitos visitantes possam deixar a cidade antes que a proteção total da vacina seja aplicada, de Blasio argumentou que "quanto mais pessoas forem vacinadas, melhor" para a cidade e o mundo.

“Enquanto isso, continuamos focados na equidade da vacina e na garantia do acesso à vacina para nova-iorquinos vulneráveis ​. Continuamos a avaliar o uso mais eficaz das doses conforme a demanda se estabiliza”, disse o porta-voz do governo da cidade, Jonah Bruno.

A ideia de abrir a vacinação no estado para turistas e não americanos segue a linha de pensamento do estado da Flórida, que permite a vacinação de turistas desde o dia 30 de abril. No estado, maiores de 16 anos já podem ser vacinados sem ter um comprovante de residência no país.

Grupo de ativistas distribui maconha para vacinados em NY

No último dia 20 de abril, um grupo de ativistas pela legalização da maconha nos EUA fizeram uma campanha para oferecer um cigarro de maconha para aqueles que se vacinarem contra a Covid-19 no estado de Nova York.

O movimento "Joint for jabs" (baseado pela vacina, em tradução livre) tinha dois pontos específicos na ação: incentivar a vacinação e, ao mesmo tempo, comemorar o a liberação do uso recreativo da maconha no estado.

O uso recreativo da maconha por adultos em Nova York foi legalizado em 31 de março deste ano. Com isso, o estado se tornou o 15º do país (além do distrito de Columbia) a liberar o consumo da cannabis e o segundo maior mercado da droga no país, atrás apenas do estado da Califórnia.

Vale lembrar que Nova York chegou a ser o epicentro nacional da pandemia de coronavírus nos EUA e hoje tem um dos melhores números de imunização do país, com cerca de 34,3% da população totalmente vacinada. Desde o início da pandemia, o estado registrou mais de 2 milhões de casos e cerca de 52 mil mortes.

Quer saber o que move o mundo e como isso afeta sua vida? Assine a EXAME.

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)Johnson & JohnsonNova YorkTurismoVacinas

Mais de Mundo

Como foi o resgate de reféns em Gaza: um sucesso para Israel, mas que agrava a crise humanitária

Exército de Israel resgata 4 reféns levados de festival de música em outubro

Colômbia anuncia suspensão de venda de carvão para Israel

Itália vota para Parlamento Europeu em eleições cruciais para Meloni

Mais na Exame