Mundo

Museu em Amsterdã devolverá pintura de Matisse a família judia perseguida na Segunda Guerra Mundial

Em julho de 1941, a família tinha pouca comida e vendeu tudo o que restava na esperança de escapar da Europa

A cidade de Amsterdã, proprietária oficial do Matisse, deverá entregar a obra aos familiares de Stern antes do final do ano

A cidade de Amsterdã, proprietária oficial do Matisse, deverá entregar a obra aos familiares de Stern antes do final do ano

Publicado em 28 de junho de 2024 às 09h56.

O Museu Stedelijk, em Amsterdã, disse que devolverá uma pintura de Henri Matisse que está em sua coleção desde 1941 aos herdeiros de seu antigo proprietário, um fabricante têxtil judeu-alemão e patrono das artes que a vendeu para financiar a fuga de sua família da Holanda.

O museu anunciou a devolução da obra “Odalisca” na terça-feira depois da Câmara Municipal de Amsterdã ter recebido “conselhos” da Comissão Holandesa de Restituições, um comitê governamental que decide sobre casos de arte saqueada pelos nazistas.

Os herdeiros disseram em comunicado que a decisão proporcionou justiça simbólica. “O Matisse fez a mesma viagem de Berlim a Amsterdã que nossos avós”, disseram. “Mas parou lá em Stedelijk, quase sem reconhecimento de onde veio durante 80 anos.”

Segundo reportagem do New York Times, antes da Segunda Guerra Mundial, a “Odalisca", datada de 1920-21, fazia parte da coleção de arte privada de Albert e Marie Stern. Albert e seu irmão Siegbert ajudaram a estabelecer uma empresa líder de moda feminina em Berlim no século XIX. Albert e Marie eram patronos das artes e organizavam regularmente eventos de arte e música em sua casa em Berlim. Marie, que estudou arte, montou uma coleção que incluía também obras de Vincent van Gogh e Edvard Munch.

Depois que os nazistas tomaram o poder na Alemanha em 1933, os Sterns sofreram vários ataques antissemitas. O Estado expropriou seus negócios e roubou muitos dos seus bens, e a família foi ameaçada com violência física, disse Anne Webber, fundadora e co-presidente da Comissão para a Arte Saqueada na Europa, que tratou do pedido de restituição.

Em 1937, segundo a Comissão, o casal mudou-se para Amsterdã levando consigo alguns dos seus bens, enquanto solicitava vistos para países como Cuba, México e Estados Unidos, sem sucesso. Em julho de 1941, a família tinha pouca comida e vendeu tudo o que restava na esperança de escapar da Europa.

O Matisse foi vendido em 1941 ao Stedelijk através de um amigo da família. Pouco depois, toda a família Stern foi presa e enviada para campos de concentração, onde a irmã gêmea de Albert, os dois filhos adultos do casal e muitos outros membros da família foram assassinados. Marie, que foi enviada para o campo de Liebenau, na Alemanha, sobreviveu à guerra, mas Albert foi morto no campo para prisioneiros do Castelo de Laufen, na Suíça.

A “Odalisca” de Matisse está exposta na coleção permanente do museu, ao lado de outras odaliscas – ou nus reclinados – pintadas no mesmo período por Pablo Picasso e Wassily Kandinsky.

“Não temos muitos Matisses, por isso é uma obra importante”, disse Rein Wolfs, diretor do Museu Stedelijk, “que mostra a importância do Orientalismo na pintura francesa”.

Ele se recusou a estimar o valor monetário da obra, mas disse que sua história pessoal superava as avaliações de preços.

“É muito importante que possamos restituir este trabalho”, disse Wolfs. “Isso não repara o que aconteceu durante a guerra, mas pelo menos alguma justiça pode ser feita, tantos anos depois.”

A cidade de Amsterdã, proprietária oficial do Matisse, deverá entregar a obra aos familiares de Stern antes do final do ano, disse uma porta-voz do Stedelijk.

Acompanhe tudo sobre:QuadrosHolanda

Mais de Mundo

Legisladores democratas aumentam pressão para que Biden desista da reeleição

Entenda como seria o processo para substituir Joe Biden como candidato democrata

Chefe de campanha admite que Biden perdeu apoio, mas que continuará na disputa eleitoral

Biden anuncia que retomará seus eventos de campanha na próxima semana

Mais na Exame