Morgan Stanley: investidores devem esperar calote de países

Segundo o banco americano, crise do da dívida pública que atingiu a zona do euro não acabou e deve afetar os mais ricos

Paris – Alguns países entre os mais ricos do mundo, vítimas de graves dificuldades orçamentárias, serão incapazes de pagar total ou parcialmente sua dívida pública, afirma um estudo do banco americano Morgan Stanley.

“A questão não é saber se há governos que vão quebrar, e sim como farão”, afirma o Morgan Stanley no documento consagrado à dívida dos Estados.

O banco de negócios opina que o valor da dívida pública em comparação com o PIB (Produto Interno Bruto) anual se tornou muito elevado e que os problemas orçamentários foram subestimados de forma considerável por vários governos dos países ricos.

Segundo o estudo, a crise da dívida que afetou a zona euro no início de 2010 está longe de ter terminado e não envolve apenas os países mais frágeis.

Em consequência desta situação, os credores dos Estados correm o risco de não serem reembolsados jamais, o que faz o Morgan Stanley considerar o conflito entre as duas partes “mais intenso que nunca”.

Mas, como o banco lembra, existem alternativas ao cessar de pagamentos total, como impor aos credores uma taxa de juros negativa – por exemplo através da inflação -, ou artificialmente baixa, soluções já utilizadas no passado.

O Morgan Stanley adverte ainda que as condições de empréstimos atuais, favoráveis para os Estados cujas obrigações são consideradas pelos mercados como valor-refúgio, não os protegem de um possível default.

Leia mais notícias sobre dívida pública

Siga as notícias do site EXAME sobre Mundo no Twitter

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.