Mundo

Partido de Claudia Sheinbaum sinaliza plano de reforma constitucional no México

Dirigentes falaram submeter proposta sobre o tema ao Congresso em setembro, após posse da nova presidente

Publicado em 7 de junho de 2024 às 07h30.

Última atualização em 7 de junho de 2024 às 07h32.

Dirigentes do partido governista do México sinalizaram na quinta-feira, 6, que pretendem submeter uma ampla reforma constitucional à votação no Congresso em setembro, quando Claudia Sheinbaum assumir a presidência em setembro . O Partido Morena tentará aproveitar o capital político obtido no pleito do último domingo, quando Sheinbaum foi eleita para suceder o aliado Andrés Manuel López Obrador.

A indicação dos planos governistas do novo governo desagradou o humor nos mercados locais, já preocupados com a perspectiva de medidas pouco palatáveis aos investidores. No final da tarde de ontem, o peso mexicano havia se deteriorado ante o dólar após os anúncios.

Em uma coletiva de imprensa, o coordenador dos deputados do Morena, Ignacio Mier Velazco, reiterou que Sheinbaum continuará o projeto do antecessor e pediu à oposição que contribua para concretizar "a vontade popular expressa nas urnas".

O pacote proposto inclui uma grande reforma no sistemas judicial com potenciais mudanças nos mecanismos de indicação de juízes à Suprema Corte de Justiça da Nação, segundo relatado por veículos da imprensa mexicana. Também pode haver a eliminação de agências autônomas, como os órgãos que regulam os setores de telecomunicações, energia e proteção de dados.

Acompanhe tudo sobre:MéxicoDemocraciaEleições

Mais de Mundo

Navios de guerra russos chegarão em Havana na próxima semana

Países Baixos abrem eleições da UE e duelos com a extrema direita

Migrantes continuam cruzando fronteira dos EUA, apesar das novas restrições de Biden

Governo brasileiro condena "nos mais fortes termos" bombardeio de Israel a escola da ONU

Mais na Exame