Mundo

Marcas chinesas de ar-condicionado devem absorver preços recordes do cobre

Os preços dos produtos permanecem inalterados em relação ao ano passado e também mês a mês, de acordo com um varejista de unidades de ar-condicionado em Guangzhou

China2Brazil
China2Brazil

Agência

Publicado em 31 de maio de 2024 às 16h33.

Os fabricantes chineses de ar-condicionado não devem aumentar seus preços neste verão, apesar dos custos crescentes causados pela alta nos preços do cobre, uma matéria-prima essencial na fabricação desse eletrodoméstico. Isso se deve aos altos estoques e à baixa demanda, segundo informações do portal chinês, Yicai.

Os preços dos produtos acabados permanecem inalterados em relação ao ano passado e também mês a mês, de acordo com um varejista de unidades de ar-condicionado em Guangzhou. “Se os fabricantes aumentarem seus preços, as vendas cairão”, afirmou a fonte.

Os preços dos contratos futuros mais negociados para o cobre na Bolsa de Futuros de Xangai atingiram o recorde de 88.600 de yuans (US$ 12.223) por tonelada na semana passada, um aumento de cerca de 30% desde o início deste ano.

No entanto, as marcas estão sendo pressionadas a absorver os custos adicionais. O estoque de ar-condicionado atingiu cerca de 50 milhões de unidades, um pico em quase dois anos, segundo Long Fei, analista da ChinaIOL.com.

Um erro de cálculo anterior resultou no excesso de produção. Os fabricantes aumentaram a produção nesta primavera, incentivados pela demanda robusta do verão passado, que registrou temperaturas inesperadamente altas. No entanto, as vendas durante o feriado do Dia do Trabalho foram fracas, levando ao alto nível de estoque atual.

Além disso, as regiões do sul do país registraram mais chuvas do que o habitual recentemente, reduzindo a demanda por equipamentos de resfriamento.

Preços domésticos estáveis até o segundo semestre

Apesar do aumento acentuado dos preços do cobre, o custo de produção por ar-condicionado subiu cerca de 3%, conforme relatado por uma fonte da Skyworth Air Conditioning, um grande fabricante. A empresa aumentou seus preços de exportação, mas manteve os preços domésticos inalterados para reduzir o estoque, o que deve resultar em uma margem de lucro bruto menor.

O impacto dos preços mais altos do cobre pode se tornar mais perceptível no segundo semestre, já que os produtos atualmente nas lojas foram produzidos no primeiro trimestre com cobre comprado anteriormente, afirmou Wu Qinan, presidente da Skyworth. Segundo Wu, a decisão de aumentar os preços no segundo semestre dependerá, em parte, da competição no mercado.

As pressões de custo podem se tornar evidentes no segundo semestre, alertou Long. Os produtores precisam reduzir seus estoques, o que pode resultar em guerras de preços. Nesse cenário, pequenas e médias empresas enfrentam maiores riscos do que grandes marcas de eletrodomésticos, que têm mais capacidade para mitigar esses riscos.

Líderes da indústria, como Gree Electric Appliances, Midea Group e Haier Smart Home, anunciaram desde o final de março que irão negociar contratos futuros para se proteger contra as flutuações nos preços das matérias-primas, incluindo o cobre.

Tradução: Mei Zhen Li
Fonte: Yicai Global

Acompanhe tudo sobre:China

Mais de Mundo

EUA anuncia que vai priorizar entregas de sistemas de defesa aérea Patriot para a Ucrânia

Putin ganha cães de Kim Jong-un durante visita à Coreia do Norte; veja fotos

Ozempic e Wegovy "acabam" com canetas de insulina na África do Sul; entenda

Investimento estrangeiro cai 10% no Brasil em 2023, aponta relatório da ONU

Mais na Exame