Mundo

Maduro ordena concessão de licenças para explorar petróleo em área disputada com Guiana

No referendo, mais de 10,4 milhões de votantes participaram, metade do eleitorado da Venezuela, e mais de 95% concordaram que o Essequibo se torne uma província do país

A Guiana deu o aval em outubro passado para seis empresas petrolíferas, incluindo a americana Exxon e a francesa TotalEnergy (Carolina Cabral/Getty Images)

A Guiana deu o aval em outubro passado para seis empresas petrolíferas, incluindo a americana Exxon e a francesa TotalEnergy (Carolina Cabral/Getty Images)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 6 de dezembro de 2023 às 07h56.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ordenou à estatal petrolífera PDVSA a concessão de licenças para a exploração de recursos na região do Essequibo, a área disputada com a Guiana, onde Georgetown autorizou a operação de empresas petrolíferas estrangeiras e locais.

Maduro instruiu a criação da "divisão PDVSA-Essequibo" e a concessão "de imediato de licenças operacionais para a exploração de petróleo, gás e minerais em toda a área".

Essas medidas fazem parte de um conjunto de anúncios feitos pelo presidente nesta terça-feira, após o referendo consultivo do último domingo, no qual buscou o apoio popular para seu pleito sobre a região em disputa.

No referendo, mais de 10,4 milhões de votantes participaram, metade do eleitorado da Venezuela, e mais de 95% concordaram que o Essequibo se torne uma província do país.

Movimentação industrial e empresarial

O presidente propôs, também nesta terça-feira, a elaboração de uma lei especial para discutir "com todos os setores" a criação de "uma norma muito firme para proibir" a contratação de empresas que operam na área sob concessões concedidas pela Guiana no "mar a delimitar".

"Proponho [dar] três meses a todas essas empresas para se retirarem dessas operações no mar a delimitar, três meses", disse. "Estamos abertos a conversar".

A Guiana deu o aval em outubro passado para seis empresas petrolíferas, incluindo a americana Exxon e a francesa TotalEnergy, explorarem suas costas, o que gerou protesto da Venezuela devido a serem "águas pendentes por delimitar", e, em resposta, convocou o referendo.

Defesa

Maduro disse que agora exercerá o "poder" concedido pelo povo e propôs também uma lei para "a criação da Guiana Essequiba", uma província na área disputada com a Guiana.

Ele também ordenou a criação de uma "zona de defesa integral da Guiana Essequiba", sem dar detalhes adicionais, mas que estará localizada na cidade de Tumeremo, no estado de Bolívar (sul), fronteiriço com a área em disputa.

Além disso, pediu a implementação de um plano de "atenção social" para a população da área em disputa, "bem como a realização de um censo e a entrega de carteiras de identidade aos seus habitantes".

Acompanhe tudo sobre:PetróleoVenezuelaNicolás Maduro

Mais de Mundo

Família é infectada por vermes após comer carne de urso nos EUA

Netanyahu reconhece 'erro trágico' em ataque que deixou pelo menos 45 mortos em Rafah

Coreia do Norte lança míssil ao mar, dizem Japão e Coreia do Sul

Israel enfrenta críticas da comunidade internacional após ataques em Rafah

Mais na Exame