Mundo

Lula liga para nova presidente do México e a parabeniza por vitória

Cientista e ex-prefeita da Cidade do México, Claudia Sheinbaum se tornou a primeira mulher eleita presidente do país

Claudia Sheinbaum, nova presidente do México (CARL DE SOUZA/AFP)

Claudia Sheinbaum, nova presidente do México (CARL DE SOUZA/AFP)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 3 de junho de 2024 às 19h54.

Tudo sobreMéxico
Saiba mais

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva ligou na tarde desta segunda-feira, 3, para a nova presidente do México, Claudia Sheinbaum, para parabenizá-la por vencer a eleição no domingo. A conversa durou cerca de 15 minutos, informou a Presidência.

Sheinbaum, que é cientista e ex-prefeita da Cidade do México, se tornou a primeira mulher eleita presidente do país. Conforme a contagem do Instituto Nacional Eleitoral (INE), a presidente eleita obteve entre 58% e 60% dos votos válidos, uma vantagem de 30 a 34 pontos percentuais para a segunda colocada, Xóchitl Gálvez.

Com esse resultado, o partido de esquerda Morena, do atual presidente e padrinho político de Sheinbaum, Andrés Manuel López Obrador, mantém-se no poder.

— Quero agradecer ao povo do México pelo reconhecimento da nossa história, pelos resultados, pela sua convicção e pela sua vontade, mas acima de tudo pelo reconhecimento do povo ao nosso projeto nacional. Também sou grata porque, pela primeira vez em 200 anos de República, serei a primeira mulher presidente do México — discursou Claudia Sheinbaum após os resultados.

Enfrentar a crise na segurança pública será principal desafio da primeira mulher eleita presidente do México, em mandato com duração de seis anos, após pleito marcado pela violência política.

Acompanhe tudo sobre:MéxicoLuiz Inácio Lula da Silva

Mais de Mundo

Primeira viagem de Milei à Espanha como presidente não terá honras militares e coletiva de imprensa

Suprema Corte dos EUA confirma proibição de posse de armas a agressores domésticos

Tribunal impõe penas de prisão à família mais rica do Reino Unido por exploração de funcionários

Dez prefeitos da oposição na Venezuela são inabilitados por 15 anos após apoio a Edmundo González

Mais na Exame