Mundo

Justiça da Guatemala suspende divulgação dos resultados eleitorais após contestações

Tribunal Constitucional concede liminar temporária a dez partidos e convoca nova audiência para revisar as contagens contestadas

Protestos ocorrem em defesa da vontade popular (justinjfj/Wikimedia Commons)

Protestos ocorrem em defesa da vontade popular (justinjfj/Wikimedia Commons)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 3 de julho de 2023 às 14h48.

Última atualização em 3 de julho de 2023 às 14h52.

A mais alta corte da Guatemala suspendeu a divulgação dos resultados oficiais das eleições neste domingo, 2, concedendo uma liminar temporária a dez partidos que contestaram os resultados da votação de 25 de junho. O Tribunal Constitucional convocou uma nova audiência para revisar as contagens contestadas em no máximo cinco dias.

Sandra Torres e Bernardo Arévalo emergiram de um grupo de quase duas dezenas de candidatos presidenciais na primeira rodada de votação. Como nenhum deles chegou perto da marca de 50%, esperava-se que competissem em um segundo turno em 20 de agosto para determinar o próximo presidente da Guatemala.

Arévalo, em particular, do partido progressista Movimento Semente, foi uma surpresa, pois não estava entre os principais candidatos nas pesquisas. Torres, candidata do conservador partido UNE, faz sua terceira tentativa de chegar à Presidência.

Essencialmente, a corte quer comparar as contagens inseridas no sistema eleitoral com as das próprias seções eleitorais para garantir que sejam correspondentes. Se necessário, a corte disse que ordenaria uma nova contagem dos votos contestados.

Reações

O advogado constitucionalista Alejandro Balsells disse que uma recontagem deve ser evitada em prol do processo. As mesas temporariamente formadas que contam os votos em cada seção eleitoral no dia da eleição são as que devem prevalecer.

Entre os partidos que contestam os resultados estão aqueles de três candidatos que estavam entre os líderes antes do dia da eleição, mas acabaram recebendo menos de 8% dos votos cada um. No entanto, o partido de Torres também solicitou uma revisão das contagens de votos.

Dezenas de pessoas protestaram do lado de fora do tribunal no sábado à noite, exigindo que seus votos sejam respeitados e não determinados pelos tribunais. Arévalo estava entre eles e disse: "junto com o povo, não vamos permitir que eles fraudem a vontade do povo guatemalteco".

Acompanhe tudo sobre:GuatemalaEleições

Mais de Mundo

Primeira viagem de Milei à Espanha como presidente não terá honras militares e coletiva de imprensa

Suprema Corte dos EUA confirma proibição de posse de armas a agressores domésticos

Tribunal impõe penas de prisão à família mais rica do Reino Unido por exploração de funcionários

Dez prefeitos da oposição na Venezuela são inabilitados por 15 anos após apoio a Edmundo González

Mais na Exame