Mundo

José Raúl Mulino é eleito presidente do Panamá, em meio a crise de corrupção no país

Candidato da direita venceu com 34% dos votos

Panamá: país realizou eleição presidencial no domingo, 5 (María Isabel Sánchez e Juan José Rodríguez/AFP)

Panamá: país realizou eleição presidencial no domingo, 5 (María Isabel Sánchez e Juan José Rodríguez/AFP)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 6 de maio de 2024 às 07h17.

O advogado de direita José Raúl Mulino conquistou, nesse domingo, 5, a presidência do Panamá com 34% dos votos, nove pontos acima do seu seguidor imediato, anunciou o Tribunal Eleitoral, depois de contados 90% dos votos.

Mulino, de 64 anos e sucessor do ex-presidente Ricardo Martinelli, disse ter recebido o resultado com “responsabilidade e humildade”, em telefonema em que o presidente da Justiça Eleitoral o proclamou vencedor.

“Congratulo-me com os resultados expressos, que são a vontade majoritária do povo panamenho na nossa democracia”, disse Mulino num hotel da capital, entre a alegria dos seus seguidores.

Minutos antes, o ex-cônsul Ricardo Lombana, também advogado, de centro-direita, que ficou em segundo lugar, reconheceu sua derrota. “Reconheço a sua vitória e desejo-lhe o maior sucesso (…) Somos a primeira força de oposição”, disse ele.

A eleição foi realizada num momento em que o Panamá sofre com corrupção profundamente enraizada, uma seca que reduziu o trânsito de navios pelo canal, motor de sua economia, e uma onda de migrantes atravessando a perigosa selva de Darién em seu caminho para os Estados Unidos.

Após a votação, Mulino, que foi ministro da Segurança no governo Martinelli (2009-2014), visitou seu padrinho político na embaixada da Nicarágua, onde obteve asilo desde fevereiro para evitar a prisão.

A candidatura de Mulino foi referendada pelo Supremo Tribunal de Justiça há apenas dois dias, por ter sido contestada por não ter passado pelas primárias ou por não ter um vice-presidente na folha de pagamento.

A eleição presidencial é decidida em turno único e por maioria simples. Num dia com uma participação superior a 76%, os panamenhos elegeram além do presidente, para os próximos cinco anos, 71 deputados e governos locais.

Popularidade de Martinelli

Embora o cansaço com a corrupção seja palpável nas ruas do país, o ex-presidente Martinelli, também acusado de espionagem telefônica e suborno pela construtora brasileira Odebrecht, ainda goza de popularidade.

Acompanhe tudo sobre:PanamáEleições

Mais de Mundo

Milei retira Aerolíneas e Correios de lista de privatizações para tentar aprovar Lei de Bases

Hezbollah ataca Israel com mais de 100 foguetes após assassinato de comandante

Cúpula suíça fala de paz na Ucrânia, reúne países do Sul Global e deixa Rússia de fora

Submarino nuclear russo chega a Cuba para celebração de relação diplomatica entre países

Mais na Exame