Acompanhe:

Jair Bolsonaro quer política externa "sem conotação ideológica"

Anúncios para a política externa "vão totalmente em desencontro com a adotada pelos governos petistas", vê especialista

Modo escuro

Continua após a publicidade
O presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro (Pilar Olivares/Reuters)

O presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro (Pilar Olivares/Reuters)

E
EFE

Publicado em 30 de outubro de 2018 às, 11h24.

Rio de Janeiro - O presidente eleito, Jair Bolsonaro, prometeu ampliar a política externa "sem conotação ideológica" e aproximar o Brasil de outros países que, segundo ele, foram desprezados pelos governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

Essas posições foram defendidas nas últimas horas por Bolsonaro e alguns de seus homens de confiança, como o provável futuro ministro da Fazenda, Paulo Guedes, e o deputado federal Onyx Lorenzoni, o favorito a ocupar o Ministério da Casa Civil.

Desde o início da campanha, Bolsonaro sempre mostrou interesse em se aproximar de países desenvolvidos que fomentem o comércio exterior do Brasil e foi um ferrenho opositor da manutenção de relações com Venezuela e Cuba, que para o político do PSL não agregam valores econômico e tecnológico ao país.

"Deixaremos de louvar ditaduras assassinas e desprezar ou mesmo atacar democracias importantes como EUA, Israel e Itália. Não mais faremos acordos comerciais espúrios ou entregaremos o patrimônio do Povo brasileiro para ditadores internacionais", diz Bolsonaro no plano de governo apresentado durante a campanha eleitoral.

O próximo presidente brasileiro, que ressaltou a intenção de impulsionar o livre-comércio com outros países e promover o investimento estrangeiro para diminuir o desemprego, comentou no último domingo que a nova política externa acabará com as "tendências ideológicas", aproximará o Brasil dos países mais desenvolvidos e recuperará o "respeito internacional".

"Queremos, sim, nos aproximar de vários países do mundo sem conotações ideológicas, por isso temos a necessidade de um bom ministro das Relações Exteriores que converse com todo o mundo", analisou, após ter recebido cumprimentos do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, do qual é admirador confesso.

As declarações de Bolsonaro foram reforçadas no domingo por Guedes, que explicou que o Mercosul "não será prioridade para o novo governo", porque o bloco foi constituído como uma entidade "totalmente ideológica".

"Não vamos romper com ninguém, não vamos romper qualquer relação. Eu só vou comercializar com a Argentina? Não. Só vou comercializar com Venezuela, Bolívia e Argentina? Não. Vamos comercializar com o mundo e não seremos prisioneiros de relações ideológicas", analisou.

Esse argumento também foi utilizado nesta segunda-feira por Lorenzoni, que revelou que a primeira viagem do presidente eleito ao exterior será ao Chile. Segundo o deputado federal, Bolsonaro e o presidente chileno, Sebastián Piñera, "podem ser irmãos na luta pela construção do desenvolvimento" na América Latina.

Os anúncios feitos por Bolsonaro para a política externa "vão totalmente em desencontro com a adotada pelos governos petistas (de Lula e Dilma)", segundo Zilda Mendes, professora de Comércio Exterior e Câmbio da Universidade Presbiteriana Mackenzie, citada em uma nota divulgada pela instituição.

Na opinião da professora, com as informações expostas no plano de governo e o que Jair Bolsonaro disse publicamente durante a campanha, "não se pode saber detalhadamente que medidas serão adotadas efetivamente e quais serão as suas respectivas prioridades".

Últimas Notícias

Ver mais
EUA e Reino Unido atacam 18 alvos huthis no Iêmen
Mundo

EUA e Reino Unido atacam 18 alvos huthis no Iêmen

Há 9 horas

Entre brigas, insultos e promessas, Macron visita Salão da Agricultura em Paris
Mundo

Entre brigas, insultos e promessas, Macron visita Salão da Agricultura em Paris

Há 10 horas

Israel examina propostas que dão 'margem para avançar' para uma trégua em Gaza
Mundo

Israel examina propostas que dão 'margem para avançar' para uma trégua em Gaza

Há 10 horas

Mãe de Navalny recebeu o corpo de russo morto na prisão
Mundo

Mãe de Navalny recebeu o corpo de russo morto na prisão

Há 15 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais