Acompanhe:

Interior de SP se mobiliza contra usinas da Sabesp

São Paulo - A construção de cinco pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) no Sistema Cantareira está assustando o interior paulista. Com medo de impactos ambientais, prefeitos, ambientalistas e agricultores começam a se mobilizar contra o projeto da Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp). O receio é de que usinas na Região Metropolitana de São […]

Modo escuro

Continua após a publicidade
EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

D
Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2010 às, 03h46.

São Paulo - A construção de cinco pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) no Sistema Cantareira está assustando o interior paulista. Com medo de impactos ambientais, prefeitos, ambientalistas e agricultores começam a se mobilizar contra o projeto da Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp). O receio é de que usinas na Região Metropolitana de São Paulo comprometam a vazão de rios que abastecem 3 milhões de pessoas em 62 municípios da Bacia do Piracicaba, incluindo Atibaia, Bragança Paulista e Campinas.

O plano é construir uma das usinas perto do Horto Florestal, na zona norte da capital, ao lado da Estação de Tratamento de Água (ETA) Guaraú. A outra deve ficar no vertedouro da Cascata, no Rio Juqueri Mirim, em Mairiporã, ao lado da ETA Atibainha. O principal receio dos moradores do interior é de que a usina que será instalada na capital comprometa o nível dos rios e represas que estão do outro lado da Serra da Cantareira, a 700 metros de altitude.

Ambientalistas dizem que o volume de recursos hídricos retirado hoje das represas do interior para a capital - 33 metros cúbicos por segundo, dos quais 31 m³/s originados dos formadores do Piracicaba (Jaguari e Atibaia) - vai aumentar com a construção da hidrelétrica na zona norte de São Paulo. A Sabesp argumenta que não haverá desvio no curso dos mananciais que compõem o Cantareira. No caso da usina de Mairiporã, por exemplo, a empresa diz que será aproveitada a queda d’água do vertedouro que faz a transferência de água entre as Represas Atibainha e Paiva Castro. Mas a Prefeitura de Atibaia considera que a presença das usinas aumentará a umidade do ar na região, o que poderia comprometer a produção local de frutas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Últimas Notícias

Ver mais
Depois do "back to basics", CVC mira 2 mil lojas
Exame IN

Depois do "back to basics", CVC mira 2 mil lojas

Há um dia

Apagão de energia de 2023 vira alvo do TCU; veja quem será inspecionado
Brasil

Apagão de energia de 2023 vira alvo do TCU; veja quem será inspecionado

Há um dia

MELHORES E MAIORES 2024: inscrições estão abertas
seloNegócios

MELHORES E MAIORES 2024: inscrições estão abertas

Há um dia

Meta, dona do Facebook, terá de trocar nome no Brasil; entenda motivo
Tecnologia

Meta, dona do Facebook, terá de trocar nome no Brasil; entenda motivo

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais