Acompanhe:

A trégua de quatro dias entre Israel e o Hamas entrou oficialmente em vigor na sexta-feira às 07h locais (2h, em Brasília), ao abrigo de um acordo que deverá permitir a libertação de reféns feitos pelo movimento islâmico.

Por volta das 14h GMT, está prevista a libertação dos primeiros 13 reféns do Hamas do total de 50 que devem ser trocados por 150 prisioneiros palestinos em Israel, de acordo com as condições do pacto mediado por Catar, Egito e Estados Unidos.

O Catar, um importante mediador com o Egito e os Estados Unidos, chegou a um acordo na quarta-feira para uma trégua prorrogável de quatro dias e a troca de 50 reféns mantidos em cativeiro em Gaza por 150 prisioneiros palestinos em Israel.

A entrada em vigor do pacto estava inicialmente prevista para quinta-feira, mas foi adiada para sexta-feira, às 07h00 locais (05h00 GMT), anunciou o Qatar. Por volta das 16h00 está prevista a libertação de 13 mulheres e crianças detidas em Gaza.

As hostilidades persistiram até o último momento.

Duas horas antes do início da trégua, o diretor-geral do Ministério da Saúde do governo do Hamas em Gaza, Mounir al Barsh, disse à AFP que os soldados israelitas “realizaram um assalto ao Hospital Indonésio”, onde estão cerca de 200 pacientes.

Questionado pela AFP, o exército israelita não comentou esta ação, mas referiu que alarmes anti-foguetes foram ativados num kibutz perto de Gaza.

"Incrivelmente difícil"

O Hamas anunciou “uma paralisação total das atividades militares” durante quatro dias, durante os quais os 50 reféns serão libertados. Para cada um deles serão libertados “três prisioneiros palestinianos”, indicou.

Na sexta-feira, uma fonte de segurança egípcia disse à AFP que uma delegação de segurança do seu país estará em Jerusalém e Ramallah para garantir o “respeito pela lista” de prisioneiros palestinos libertados.

Oficiais de segurança israelenses, acompanhados por pessoal da Cruz Vermelha e agentes egípcios, serão destacados para o lado egípcio da passagem de fronteira de Rafah para receber os reféns libertados em Gaza, acrescentou.

Uma fonte do Hamas disse à AFP que a entrega destes reféns ocorrerá “secretamente, longe da imprensa”.

Maayan Zin soube na quinta-feira que suas duas filhas não estavam entre os reféns que serão libertados na sexta-feira.

“É incrivelmente difícil para mim”, disse ela na rede social X, embora tenha ficado “aliviada pelas outras famílias”.

Em Jerusalém Oriental, a palestiniana Samira Douayyat sonhava com a possível libertação da sua filha Shourouk, de 26 anos, que completou metade dos seus 16 anos de prisão. “Eu choro, rio, tremo”, disse ele à AFP.

Israel divulgou uma lista de 300 palestinos (33 mulheres e 267 menores de 19 anos) que podem ser libertados. Entre eles estão 49 membros do Hamas.

Voltar para a guerra?

A comunidade internacional acolheu favoravelmente o acordo e espera que seja um primeiro passo para um cessar-fogo duradouro.

Mas o governo e o exército israelitas disseram que “continuarão” a lutar para “eliminar” o Hamas assim que a trégua terminar.

"Não vamos parar a guerra. Continuaremos até à vitória", disse o Chefe do Estado-Maior de Israel, General Herzi Halevi.

“Assumir o controlo do norte da Faixa de Gaza é a primeira etapa de uma longa guerra e estamos a preparar-nos para as próximas fases”, disse o porta-voz do exército, Daniel Hagari.

O embaixador palestiniano na ONU, Riyad Mansour, declarou que a trégua “não pode ser apenas uma pausa” e apelou à utilização desta trégua para evitar o reinício dos combates em Gaza.

A guerra eclodiu com o ataque dos milicianos do Hamas no sul de Israel, em 7 de Outubro, de uma magnitude e violência sem precedentes desde a criação do Estado Judeu.

Segundo as suas autoridades, 1.200 pessoas, a maioria civis, foram mortas e cerca de 240 foram feitas reféns e levadas para a Faixa de Gaza.

Israel lançou uma ofensiva contra Gaza, com bombardeamentos constantes e uma operação terrestre desde 27 de outubro, que causou a morte de 14.854 pessoas, incluindo 6.150 crianças, segundo o governo controlado pelo Hamas.

Bombardeios antes da trégua

Na véspera do início da trégua, um médico do hospital Al Awda disse que pelo menos 27 pessoas morreram e 93 ficaram feridas num atentado bombista contra uma escola da ONU na área de Jabaliya, a norte da cidade de Gaza.

A AFP não conseguiu confirmar a origem do ataque. O exército israelense não comentou este caso específico, mas confirmou ações na quinta-feira no setor de Jabaliya.

No sul houve bombardeios na área de Khan Yunis, envoltos por colunas de fumaça negra após as explosões. Os militares israelenses disseram que mataram um comandante local do Hamas nessas ações.

Os bombardeamentos devastaram o território palestiniano e deslocaram 1,7 dos seus 2,4 milhões de habitantes, segundo a ONU, que denuncia uma grave crise humanitária.

Desde 9 de outubro, a população está sujeita a um “cerco total” por parte de Israel, que cortou o fornecimento de alimentos, água, eletricidade e medicamentos.

A trégua deverá permitir a entrada de “um maior número de comboios humanitários e de ajuda, incluindo combustível”, segundo o Qatar.

Mas um grupo de ONG internacionais garantiu que será “insuficiente” trazer a ajuda necessária e exigiu um verdadeiro cessar-fogo.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Incêndio devora edifício residencial em Valência, na Espanha, e deixa 13 feridos
Mundo

Incêndio devora edifício residencial em Valência, na Espanha, e deixa 13 feridos

Há 7 horas

França diz que forças russas ameaçaram abater aviões franceses em zona internacional
Mundo

França diz que forças russas ameaçaram abater aviões franceses em zona internacional

Há 8 horas

Mãe de Navalni diz que Rússia a pressiona por funeral secreto de seu filho
Mundo

Mãe de Navalni diz que Rússia a pressiona por funeral secreto de seu filho

Há 9 horas

Rússia anuncia novas conquistas territoriais na Ucrânia após dois anos de ofensiva
Mundo

Rússia anuncia novas conquistas territoriais na Ucrânia após dois anos de ofensiva

Há 12 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais