Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

Guerra em Israel: reféns soltos pelo Hamas dizem que ficaram em túneis escuros por semanas

Os 58 reféns libertados após um acordo de cessar-fogo nos últimos três dias permaneceram em grande parte fora dos olhos do público

Modo escuro

Continua após a publicidade
Reféns libertados: maioria deles parece estar em condições físicas estáveis (FADEL SENNA/Getty Images)

Reféns libertados: maioria deles parece estar em condições físicas estáveis (FADEL SENNA/Getty Images)

Cadeiras de plástico serviam como camas. Refeições de pão e arroz. Horas esperando para ir ao banheiro. À medida que os reféns chegam em Israel após sete semanas mantidos como prisioneiros pelo grupo terrorista Hamas, as informações sobre as condições do cativeiro começou a surgir.

Os 58 reféns libertados após um acordo de cessar-fogo nos últimos três dias permaneceram em grande parte fora dos olhos do público, com a maioria ainda em hospitais de todo o país.

Quase dois meses depois de terroristas do Hamas os terem arrastado para Gaza durante um sangrento ataque transfronteiriço a Israel, que também matou 1,2 mil pessoas, a maioria dos reféns libertados parece estar em condições físicas estáveis.

As informações sobre as condições do seu cativeiro foram rigorosamente controladas, mas os familiares dos reféns libertados começaram a partilhar detalhes sobre as experiências de seus entes queridos.

Merav Raviv, cujos três parentes foram libertados pelo Hamas na última sexta-feira, 24, disse que foram alimentados de forma irregular e comeram principalmente arroz e pão. Ela disse que sua prima e tia, Keren e Ruth Munder, perderam cerca de 7 quilos cada uma em apenas 50 dias.

Raviv disse que ouviu de seus familiares libertados que eles dormiram em fileiras de cadeiras juntas em uma sala que parecia uma área de recepção. Eles disseram que às vezes tinham de esperar horas antes de ir ao banheiro.

Adva Adar, neta da refém libertada Yaffa Adar, de 85 anos, disse que sua avó também havia perdido peso. “Ela contou os dias de seu cativeiro”, disse Adar. “Ela voltou e disse: ‘Eu sei que estou lá há 50 dias’”. Adar disse que sua avó foi levada cativa convencida de que seus familiares estavam mortos, apenas para receber a notícia de que haviam sobrevivido. Ainda assim, a sua libertação foi agridoce: ela também descobriu que a sua casa tinha sido devastada por terroristas.

“Para uma mulher de 85 anos, normalmente você tem sua casa onde criou seus filhos, tem suas memórias, seus álbuns de fotos, suas roupas”, disse Adar. “Ela não tem nada e na velhice precisa recomeçar. Ela mencionou que é difícil essa situação.”

Nos 50 dias desde que os reféns foram feitos prisioneiros, Israel devastou a Faixa de Gaza com uma ofensiva terrestre e aérea que matou pelo menos 13 mil palestinos, segundo o Ministério da Saúde no território governado pelo Hamas. Ao abrigo do atual cessar-fogo de quatro dias, o Hamas concordou em libertar um total de 50 reféns israelenses em troca de Israel libertar 150 prisioneiros de segurança palestinos e aumentar a ajuda ao enclave atacado.

Cerca de 18 cidadãos estrangeiros, a maioria tailandeses, também foram libertados.

Mais 11 reféns serão libertados na segunda-feira, 27, no último dia do cessar-fogo, deixando ainda cerca de 180 reféns na Faixa de Gaza. As autoridades israelenses disseram que estão dispostas a estender a trégua um dia para cada dez reféns libertados pelo Hamas.

A imagem mais completa da vida sob o cativeiro do Hamas foi evocada por Yocheved Lipschitz, de 85 anos, um refém que foi libertado antes do cessar-fogo. Após a sua libertação, Lipschitz disse que foi mantida em túneis que se estendiam sob Gaza “como uma teia de aranha”. Ela disse que seus captores “nos disseram que são pessoas que acreditam no Alcorão e que não nos machucariam”.

Lipschitz disse que os cativos foram bem tratados e receberam cuidados médicos, incluindo medicamentos. Os guardas mantiveram os locais limpos, disse ela. Os reféns recebiam uma refeição diária de queijo, pepino e pão sírio, disse ela, acrescentando que seus captores comiam a mesma coisa.

Houve indicações iniciais de que os reféns recentemente libertados também tinham sido mantidos no subsolo. Eyal Nouri, sobrinho de Adina Moshe, de 72 anos, que foi libertada na sexta-feira, disse que sua tia “teve de se adaptar à luz do sol” porque estava na escuridão havia semanas.

“Ela estava em completa escuridão”, disse Nouri. “Ela andava com os olhos baixos porque estava em um túnel. Ela não estava acostumada com a luz do dia. E durante seu cativeiro, ela estava desconectada de todo o mundo exterior.”

Nouri disse que Moshe não sabia que ela seria libertada até o último momento. “Até ela ver a Cruz Vermelha”, disse ele. “Este foi o momento em que ela percebeu, ok, essas sete semanas horríveis acabaram.”

Ela recebeu a notícia de que seu marido havia sido morto pelos terroristas e que a família de seu filho havia sobrevivido milagrosamente.

Os médicos alertaram sobre o alto custo psicológico do cativeiro. Israel disponibilizou aconselhamento e outros tipos de apoio aos que foram libertados. A maioria dos reféns libertados, porém, parecia estar em boas condições físicas, capaz de andar e falar normalmente. Mas pelo menos dois precisavam de cuidados médicos mais sérios. Uma refém libertada no domingo, 26, Elma Avraham, de 84 anos, foi levada às pressas para o Centro Médico Soroka de Israel, na cidade de Beersheba, no sul, em estado crítico.

O diretor do hospital disse que ela tinha uma doença pré-existente que não havia sido tratada adequadamente em cativeiro. Outra jovem refém usava muletas em um vídeo divulgado pelo Hamas no sábado. A menina fez uma careta para seus captores ao entrar em um veículo da Cruz Vermelha que a levava para fora do enclave sitiado.

Yair Rotem, cuja sobrinha de 12 anos, Hila Rotem-Shoshani, foi libertada no domingo, disse que precisava lembrá-la constantemente de que ela não precisava sussurrar.

“Eles sempre lhes disseram para sussurrarem e ficarem quietos, então continuo dizendo a ela que agora ela pode levantar a voz”, disse Rotem. Ele acrescentou que Hila, que comemorará seu 13º aniversário na segunda-feira, dormiu bem durante sua primeira noite em Israel e está com apetite.

Ohad Munder, sobrinho de Raviv de 9 anos, foi cercado por amigos logo após sua libertação, enquanto eles comemoravam seu nono aniversário com um mês de atraso com sorvete e pizza em uma enfermaria do hospital.

O amigo de Ohad, Eitan Vilchik, disse ao Canal 13 de Israel que seu amigo era “emocionalmente forte” e já capaz de responder às perguntas deles sobre o que comia e o que aconteceu com ele enquanto estava em cativeiro. Mas os amigos de Ohad recusaram-se a partilhar detalhes, dizendo que queriam respeitar a sua privacidade.

Vilchik disse que os professores cancelaram os deveres de casa de Munder, mas seus amigos o ajudarão a compensar as matérias que ele perdeu na escola. Ele disse que Ohad ainda era capaz de resolver um cubo de Rubik em menos de um minuto

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Tempestade de neve provoca cancelamento de voos em Nova York

Mundo

Tempestade de neve provoca cancelamento de voos em Nova York

Há 10 horas

Irã condena tio de Mahsa Amini a mais de cinco anos de prisão

Mundo

Irã condena tio de Mahsa Amini a mais de cinco anos de prisão

Há 13 horas

Agência de Energia Atômica alerta que Irã "não é transparente" em relação a programa atômico

Mundo

Agência de Energia Atômica alerta que Irã "não é transparente" em relação a programa atômico

Há 14 horas

Rússia emite mandados de busca e prisão contra líderes europeus por 'insulto à história' do país

Mundo

Rússia emite mandados de busca e prisão contra líderes europeus por 'insulto à história' do país

Há 14 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

A regulamentação de cigarros eletrônicos pode trazer mais segurança para o consumidor?

A regulamentação de cigarros eletrônicos pode trazer mais segurança para o consumidor?

Escritórios Verdes, da JBS, regularizam 8 mil fazendas
EXAME Agro

Escritórios Verdes, da JBS, regularizam 8 mil fazendas

“Deixei o mundo corporativo para empreender com a Herbalife”

“Deixei o mundo corporativo para empreender com a Herbalife”

Loja pop-up da Lacoste em Trancoso conecta a marca com o verão brasileiro

Loja pop-up da Lacoste em Trancoso conecta a marca com o verão brasileiro

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais