Guerra de Israel-Hamas: tudo o que você precisa saber para entender o conflito

Com a escalada do conflito, mais de 2.400 pessoas morreram, segundo autoridades dos dois lados

Israel x Hamas: conflito de três dias tem mais de mil e trezentos mortes (MAHMUD HAMS/AFP)
Israel x Hamas: conflito de três dias tem mais de mil e trezentos mortes (MAHMUD HAMS/AFP)
Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 9 de outubro de 2023 às 17h38.

Última atualização em 13 de outubro de 2023 às 13h42.

No sábado, 7, o grupo terrorista Hamas realizou um ataque sem precedentes contra Israel. Em reação, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu declarou guerra contra o Hamas. Com a escalada do conflito, mais de 2.400 pessoas morreram, segundo autoridades dos dois lados. A EXAME listou os principais pontos para entender o que aconteceu desde sábado que desencadeou a guerra entre Israel e Hamas.

O que está acontecendo em Israel?

No último sábado, 7, Israel sofreu um ataque sem procedentes envolvendo operações aéreas, marítimas e terrestres realizadas pelo grupo terrorista Hamas. A ofensiva do Hamas começou na madrugada de sábado com os disparos de foguetes de vários locais de Gaza em pleno "sabbat" — dia sagrado para os judeus — em um momento simbólico: os 50 anos da guerra árabe-israelense do Yom Kippur. O Hamas afirmou que disparou pelo menos 5 mil foguetes, enquanto Israel confirmou que os combatentes do grupo entraram no seu território por terra e mar.

Em seguida, começaram os ataques de entre 200 e 300 combatentes palestinos infiltrados em Israel a diversas localidades próximas ao território. Segundo o Exército de Israel, eles usaram picapes, botes de borracha e até parapentes para entrar no território.

O exército israelense afirmou também que um "número indeterminado de terroristas" se infiltrou no território a partir da Faixa de Gaza. Após os ataques, o primeiro ministro israelense Benjamin Netanyahu disse que seu país está em guerra contra o Hamas.

Quem atacou primeiro, Israel ou Hamas?

O grupo terrorista Hamas realizou um ataque sem precedentes no sábado. Em resposta, o governo de Israel declarou guerra ao grupo e começou a bombardear a Faixa de Gaza.

Por que o Hamas decidiu atacar Israel?

Segundo a rede Al Jazeera, o grupo armado palestino Hamas lançou a “Operação Al-Aqsa Flood”, em defesa da mesquita de Al-Aqsa”. O complexo que fica em Jerusalém é foco histórico de tensão entre israelenses e palestinos.

Os muçulmanos chamam a região, que também inclui o santuário da Cúpula da Rocha (ou Domo da Rocha), de Haram al-Sharif, ou Santuário Nobre. Os fiéis crêem que o profeta Maomé viajou de Meca até à mesquita em uma noite para orar antes de ascender ao céu.

Já os judeus chamam o local de Monte do Templo, e o consideram sagrado pois é onde ficavam dois templos antigos importantes para a religião, destruídos pelos romanos no ano 70 D.C. O único vestígio deles é o Muro das Lamentações.

No entanto, a tensão entre o país e o movimento extremista dura há pelo menos 70 anos e resultou em mortes de israelenses e palestinos. Em 1947, a Organização das Nações Unidas (ONU) incentivou a criação de dois estados: um judeu e um árabe. Os judeus ficariam com a região que hoje é Israel e os palestinos com Gaza e Cisjordânia.

No entanto, muitos árabes rejeitaram o acordo, porque consideraram o território desvantajoso, com menos recursos e em condições desfavoráveis à prosperidade da população palestina.

Mesmo assim, em 1948, foi criado o estado de Israel, e rapidamente reconhecido pelos Estados Unidos. Muitos palestinos não reagiram bem ao surgimento do novo país, o que resultou na Guerra árabe-israelense no mesmo ano. A partir disso, a Faixa de Gaza foi ocupada pelos egípcios.

Após  a Guerra dos Seis Dias, ocorrida em junho de 1967, Israel tomou o controle do território da Cisjordânia e Jerusalém Oriental, alegando que as regiões possuem símbolos religiosos importantes para judeus. No entanto, ambos os territórios também são sagrados ao cristãos e árabes. Como consequência, o conflito se intensificou. Até que, em 1987, houve a primeira Intifada, caracterizada por uma grande revolta dos palestinos contra os exércitos israelenses.

Depois de décadas de conflitos e tentativas de paz, foi criada em 1993 a ANP (Autoridade Nacional Palestina). A organização tinha como propósito trazer uma administração política das áreas ocupadas pelos palestinos, no entanto Israel só deixou a Faixa de Gaza, em 2005.

Em 2012, a ONU finalmente reconheceu a Palestina (Faixa de Gaza e Cisjordânia) como um Estado-observador permanente. Contudo, váras tentativas internacionais para fechar acordos de paz entre palestinos e israelenses fracassaram.

Contraofensiva de Israel na Faixa de Gaza

As Forças de Defesa de Israel (IDF) disseram ter feito mais de 500 ataques aéreos e disparos de artilharia contra alvos na Faixa de Gaza. De acordo com os militares israelenses, depósitos de armas, quartéis-generais e plataformas de lançamento de mísseis usadas pelo Hamas e pelo grupo Jihad Islâmica foram atingidos, embora autoridades palestinas afirmem que os bombardeios tenham acertado posições civis.

O ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, anunciou que o país está realizando um bloqueio total na Faixa de Gaza, com proibição de entrada de alimentos e águas. Gallant afirmou que as autoridades israelenses vão cortar a eletricidade e bloquear a entrada de alimentos e combustível como parte de “um cerco completo” a Gaza. Mais cedo, o exército israelense afirmou nesta segunda que tem o controle total das cidades do sul de Israel atacadas desde o início da ofensiva do Hamas. “Temos controle total das comunidades”, declarou Hagari. O general esclareceu que “ainda pode haver terroristas na área”. 

O governo de Israel ainda convocou 360 mil reservistas, cerca de mais de 3% da população, para reforçar o exército em meio a guerra contra o Hamas. O general israelense Daniel Hagari afirmou que “nunca se mobilizou tantos reservistas tão rapidamente". Segundo o portal The Times of Israel, esta é a maior mobilização desde a Guerra do Yom Kippur, conflito envolvendo Israel contra Egito e Síria em 1973, quando o país convocou 400 mil reservistas. 

Reunião do Conselho de Segurança da ONU sem consenso

Uma reunião de emergência para tratar do conflito entre o grupo Hamas e Israel terminou sem consenso no último domingo. Em comunicado sobre o encontro, o governo brasileiro reforçou a urgência de desbloquear o processo de paz e defendeu a criação de um Estado Palestino "economicamente viável, convivendo em paz e segurança com Israel".

Quantas pessoas morreram na guerra de Israel e Hamas?

O número de mortos na guerra entre Israel e Hamas não para de subir. De acordo com o balanço divulgado pela Agência Estado, na quinta-feira, 12, 2.400 pessoas morreram em decorrência dos ataques do Hamas em Israel e dos bombardeios dos israelenses na Faixa de Gaza.

Em Israel, são 1.200 mortos e 2.700 feridos. Segundo o ministério da Saúde de Gaza, pelo menos 1.200 palestinos foram mortos e 4.500 estão feridos. Entre os mortos estão 260 crianças e 230 mulheres, disse um porta-voz do ministério. Além do balanço oficial, um porta-voz das forças militares israelenses afirmou que 1.500 corpos de integrantes do Hamas foram encontrados dentro do território de Israel.

O que é a Faixa de Gaza?

A Faixa de Gaza é um região palestina localizada ao leste do território israelense, a oeste pelo Mediterrâneo e ao sul pelo Egito. Mais de dois milhões de palestinos vivem na região, com quase 6.000 habitantes por km² — uma das densidades populacionais mais altas do mundo.

Qual o tamanho da Faixa de Gaza?

Limitada ao norte e ao leste pelo território israelense, a oeste pelo Mediterrâneo e ao sul pelo Egito, a Faixa de Gaza é um território de 365 km², 41 km de comprimento e entre 6 a 12 km de largura. Mais de dois milhões de palestinos vivem na região, com quase 6.000 habitantes por km²  uma das densidades populacionais mais altas do mundo.

Quem governa a Faixa de Gaza?

A Faixa de Gaza é dominada pelo grupo terrorista Hamas. 

O que é o Hamas? Qual é a origem do grupo?

A Hamas é um acrônimo do que o grupo pretende ser, “um movimento de resistência islâmico”. Fundado em 1987, durante a primeira Intifada - ou revolta palestina -,  o grupo tem uma mista atuação entre organização política social e força armada. Desde 2007, controla a região da Faixa de Gaza após vencer as eleições em 2006. Com o domínio, iniciou uma espécie de golpe de estado, expulsando políticos moderados da Faixa de Gaza. Nenhuma eleição foi realizada desde então.  

Muitos dos países ocidentais consideram o Hamas como uma organização terrorista. Caso dos Estados Unidos, Canadá, Japão, Reino Unido e os países-membros da União Europeia. China, Rússia e Brasil, assim como Noruega e Suiça, que buscam ocupar espaço de mediadores nas negociações, evitam a denominação.  

Quem financia o Hamas?

Para manter a sua atuação, tanto militar como social na região da Faixa de Gaza, o Hamas conta com o apoio de países da região. Segundo informações, o Catar é o principal financiador, ao lado de aliados estrangeiros. 

Conhecido por suas riquezas petrolíferas e minerais, o país da península arábica contribui pagando salários das organizações civis do Hamas, como escolas, orfanatos, restaurantes populares e clubes esportivos, de acordo com a publicação alemã DW.

No passado, outra importante base de suporte financeiro veio do Irã. Com as sanções econômicas que o país sofreu na última década, o fluxo de capital de diminuiu. Cerca de 25% do faturamento da Hamas já teve como origem o país comandado pelo aiatolá Ali Khamenei. 

O Irã é ainda um forte apoiador político das práticas do Hamas. No sábado, Rahim Safavi, conselheiro de Khamenei, parabenizou o grupo e disse que o Irã estará ao lado dos palestinos “até a libertação de Jerusalém". 

Já o Catar pediu para que Israel e Hamas parem com a escalada do ataque, em comunicado. No texto, o governo catari responsabiliza Israel pelos ataques e cita “violações ao povo palestino”.

O que é Hezbollah?

Apoiado pelo Irã, o grupo libanês Hezbollah é considerado uma organização terrorista por Israel, Estados Unidos, União Europeia e o Conselho de Cooperação do Golfo.

Inimigo jurado de Israel, o grupo armado enfrentou uma guerra contra o país em 2006. Ela durou pouco mais de um mês e deixou cerca de 1.200 mortos no Líbano e 160 em solo israelense.

Agora, após o ataque na Fazenda Shebaa e o comunicado em apoio aos bombardeiros de sábado, o Hezbollah reafirma sua aliança ao Hamas.

Israel faz parte da Otan?

Não, Israel não faz parte da Otan. O país, porém, é aliado dos Estados Unidos, uma das maiores potencias militares do mundo. O presidente americano, Joe Biden, prometeu um apoio 'inabalável' a Israel após ataque do Hamas.

Para entender entre conflito Israel e Hamas:

Mais de Mundo

Detroit vai de falida à liderança do boom imobiliário nos EUA

Novas regras entram em vigor para obtenção da cidadania portuguesa

Mais de 110 pessoas são sequestradas por supostos jihadistas no Mali

Julgamento de Donald Trump entra em fase decisiva

Mais na Exame