Mundo

Governo australiano investiga possível ataque cibernético à Ticketmaster

O grupo, chamado ShinyHunters, afirmou em um fórum on-line que os dados roubados incluem nomes, endereços, números de telefone e detalhes parciais de cartões de crédito dos clientes da plataforma

A californiana Ticketmaster opera uma das maiores plataformas de venda de ingressos do mundo. (AFP/AFP)

A californiana Ticketmaster opera uma das maiores plataformas de venda de ingressos do mundo. (AFP/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 30 de maio de 2024 às 15h11.

O governo australiano investigava nesta quinta-feira (30) denúncias de que um grupo de hackers roubou os dados de 560 milhões de clientes da empresa global de emissão de ingressos Ticketmaster.

O grupo, chamado ShinyHunters, afirmou em um fórum on-line que os dados roubados incluem nomes, endereços, números de telefone e detalhes parciais de cartões de crédito dos clientes da plataforma. Os criminosos oferecem essas informações por uma "venda única" de US$ 500 mil (R$ 2,6 milhões), afirmam em sua publicação. 

"O Escritório Nacional de Segurança Cibernética trabalha com a Ticketmaster para entender o incidente", disse um porta-voz do governo australiano, orientando os clientes com "solicitações específicas" a entrar em contato diretamente com a empresa.

Um porta-voz da embaixada americana na Austrália declarou à AFP que o FBI ofereceu ajuda às autoridades desse país.
O ShinyHunters ganhou destaque entre 2020 e 2021, ao oferecer grandes quantidades de dados de clientes de mais de 60 empresas, de acordo com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos. 

Em janeiro, um tribunal em Seattle decretou três anos de prisão para o hacker francês Sebastien Raoult, membro do grupo, além de uma multa de mais de US$ 5 milhões (R$ 26 milhões).

Os procuradores americanos alegam que os extensos ataques do grupo causaram prejuízos de milhões de dólares às empresas e "perdas adicionais incalculáveis" para milhões de indivíduos cujos dados foram roubados e vendidos a outras organizações criminosas.

A AFP contactou a Ticketmaster, mas não obteve resposta. A autenticidade dos dados oferecidos pelo ShinyHunters não pôde ser verificada.

Suspeitas de monopólio

Os ciberataques afetam cada vez mais pessoas e geram consequências cada vez mais graves, disse à AFP Katina Michael, professora de segurança cibernética da Universidade de Wollongong, na Austrália. O número de vítimas desses ataques "vai crescer, podendo chegar a bilhões no futuro", alertou.

Segundo a especialista, governos, empresas e consumidores não fazem o suficiente para se proteger ou para investir em mecanismos de segurança, como a autenticação de dois fatores, que exige que o usuário apresente duas comprovações diferentes antes de acessar um sistema ou uma conta.

A californiana Ticketmaster opera uma das maiores plataformas de venda de ingressos do mundo. Na semana passada, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos apresentou uma denúncia contra a empresa e a Live Nation por suposto monopólio na indústria musical.

A política de preços da Ticketmaster, que, muitas vezes, acrescenta taxas elevadas ao valor do ingresso, e a falta de alternativas são tema de debate político nos Estados Unidos, embora pouco tenha sido feito para abrir o mercado à concorrência.

Acompanhe tudo sobre:AustráliaHackers

Mais de Mundo

Primeira viagem de Milei à Espanha como presidente não terá honras militares e coletiva de imprensa

Suprema Corte dos EUA confirma proibição de posse de armas a agressores domésticos

Tribunal impõe penas de prisão à família mais rica do Reino Unido por exploração de funcionários

Dez prefeitos da oposição na Venezuela são inabilitados por 15 anos após apoio a Edmundo González

Mais na Exame