Mundo

França aumenta restrições e reforça vacinação, mas descarta confinamento

A França anunciou uma dose de reforço contra a covid-19 para todas as pessoas com mais de 18 anos, cinco meses após a última dose

 (Stephane Mahe/Reuters)

(Stephane Mahe/Reuters)

A

AFP

Publicado em 25 de novembro de 2021 às 10h46.

Última atualização em 25 de novembro de 2021 às 10h47.

O governo francês anunciou nesta quinta-feira (25) uma campanha de vacinação de reforço contra a covid-19 para todas as pessoas com mais de 18 anos, cinco meses após a última injeção, e descartou a implementação de um novo confinamento ou toque de recolher, apesar do agravamento da pandemia. 

A vacinação de crianças de 5 a 11 anos contra o coronavírus está descartada por enquanto, mas "se uma decisão nesse sentido for tomada, não será iniciada antes do início de 2022", explicou o ministro da Saúde, Olivier Véran, durante uma coletiva de imprensa em Paris.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) aprovou nesta quinta-feira a vacina anticovid da Pfizer para crianças com entre 5 e 11 anos.

Como a política internacional impacta seu bolso e como sair ganhando? Descubra com um curso exclusivo da EXAME

E a Comissão Europeia recomendou nesta quinta-feira administração de uma dose de reforço, no mais tardar nove meses após a segunda dose da vacina anticovid, para dar mais apoio ao passe europeu de saúde, cuja validade deixará de ser reconhecida na ausência dessa dose.

A França está entrando em uma nova campanha para reforçar as medidas contra a pandemia, uma vez que vive um aumento exorbitante dos casos positivos, segundo explicou o ministro.

O uso de máscara voltará a ser obrigatório em qualquer local público, e a validade dos testes negativos de covid-19 será de no máximo 24 horas, ao invés de 72 horas atualmente.

"E os prefeitos também terão o poder de tornar obrigatório o uso de máscara em eventos ao ar livre, como feiras de Natal", anunciou o ministro.

A atual onda de coronavírus, a quinta na França desde o início da pandemia global, "é incontestavelmente mais forte, mais longa (....) do que a última do verão" (boreal, inverno no Brasil), disse o ministro.

Mas "podemos enfrentá-la sem recorrer às medidas mais coercivas", como o confinamento, acrescentou Veran.

No momento, "não haverá fechamento antecipado de lojas nem restrições de viagens", disse ele.

A dose de reforço das vacinas contra a covid-19 já estava autorizada na França para maiores de 65 anos, pessoas em situação de risco e profissionais da saúde.

Este novo anúncio "passa a afetar, na prática, 25 milhões de franceses, dos quais 6 milhões já receberam a dose de reforço", explicou o ministro.

"Portanto, ainda restam 19 milhões de franceses que podem receber a dose de reforço e pedimos que sejam vacinados nos próximos dois meses", concluiu o ministro.

yt thumbnail
Acompanhe tudo sobre:CoronavírusFrançaVacinas

Mais de Mundo

Presidente eleito do Irã afirma estar disposto à realizar 'diálogo construtivo' com a UE

Três pontos para prestar atenção na Convenção Republicana, que começa segunda

Argentina declara Hamas como 'organização terrorista internacional'

Para Rússia, mísseis dos EUA na Alemanha transforma capitais europeias em 'vítimas potenciais'

Mais na Exame