Acompanhe:

FMI pede que países desenvolvidos reduzam déficit

Washington - O Fundo Monetário Internacional (FMI) pediu hoje que os países desenvolvidos reduzam seu déficit em 8,75 pontos percentuais de seu Produto Interno Bruto (PIB) na próxima década, para que a dívida caia para 60% do PIB, apesar de a recuperação econômica ter aumentado a arrecadação tributária. Como grupo, as dívidas dos países ricos […]

Modo escuro

Continua após a publicidade
EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

D
Da Redação

Publicado em 14 de maio de 2010 às, 16h47.

Washington - O Fundo Monetário Internacional (FMI) pediu hoje que os países desenvolvidos reduzam seu déficit em 8,75 pontos percentuais de seu Produto Interno Bruto (PIB) na próxima década, para que a dívida caia para 60% do PIB, apesar de a recuperação econômica ter aumentado a arrecadação tributária.

Como grupo, as dívidas dos países ricos cairão quatro décimos este ano, mas a redução se deve unicamente à redução da ajuda ao setor financeiro nos Estados Unidos, acrescentou o FMI, que publicou hoje dois relatórios sobre a situação fiscal no mundo.

Se esse fator fosse suprimido, os déficits dos países desenvolvidos seriam maiores em 2010 que em 2009, apesar da retomada do crescimento econômico.

Por isso, a entidade multilateral pediu planos às nações desenvolvidas para sanar as contas públicas e que os países que já percebem a pressão fiscal adotem medidas imediatas.

O FMI recomendou elevar em dois anos a idade para a aposentaria, diminuir as verbas de salários para funcionários públicos, o investimento social, os subsídios agrícolas e o orçamento militar.

Também aconselhou subir os encargos sobre os bens imobiliários, o tabaco, o álcool, os combustíveis e o Imposto sobre o Valor Agregado (IVA).

Além disso, o FMI sugeriu taxar as emissões de poluição ou leiloar as permissões para emitir gases que agravam o efeito estufa, o que, além de melhorar o meio ambiente, seria uma nova fonte de renda para os Governos.

"Esse ajuste não é impossível", declarou hoje, em entrevista coletiva, Carlo Cottarelli, diretor do departamento de assuntos fiscais do FMI.

Já nos países emergentes, os déficits caíram mais lentamente que o previsto, mas, mesmo assim, a situação é melhor, segundo o FMI.

Os Governos de países emergentes devem descer a brecha orçamentária em 2,2 pontos percentuais do PIB, o que deixaria sua dívida em 40% do PIB, de acordo com dados da entidade.

Últimas Notícias

Ver mais
Lula recebe Georgieva, diretora-geral do FMI; Dilma Rousseff e Haddad participam
Brasil

Lula recebe Georgieva, diretora-geral do FMI; Dilma Rousseff e Haddad participam

Há 10 horas

Critérios climáticos devem pautar 45% dos financiamentos até 2030, prevê Banco Mundial
ESG

Critérios climáticos devem pautar 45% dos financiamentos até 2030, prevê Banco Mundial

Há 5 dias

Lira: Gratificante ver diretora do FMI reconhecer importância da reforma tributária
Economia

Lira: Gratificante ver diretora do FMI reconhecer importância da reforma tributária

Há 6 dias

Dívida Pública Federal cai 1,08% e fecha janeiro em R$ 6,449 trilhões
Economia

Dívida Pública Federal cai 1,08% e fecha janeiro em R$ 6,449 trilhões

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais