Mundo

Federação de ginástica dos EUA cria grupo de trabalho após caso Nassar

Time de trabalho estará envolvido na busca de novas instalações de treinamento de alto rendimento, tutoria e iniciativas educativas esportivas seguras

Larry Nassar: ex-médico está cumprindo condenação de 60 anos de prisão por pornografia infantil e se declarou culpado de 10 acusações de agressão sexual (Brendan McDermid/Reuters)

Larry Nassar: ex-médico está cumprindo condenação de 60 anos de prisão por pornografia infantil e se declarou culpado de 10 acusações de agressão sexual (Brendan McDermid/Reuters)

A

AFP

Publicado em 13 de julho de 2018 às 18h52.

A Federação de ginásticas dos Estados Unidos anunciou nesta sexta-feira a criação de um grupo de trabalho formado por atletas, com o objetivo de dar voz aos esportivas em tentativa de reabilitar a instituição, após o escândalo de abuso sexual de Larry Nassar.

Os membros incluirão Ivana Hong e Steven Legendre, da ginástica, Shenea Booth, da ginástica acrobática, Jazzy Kerber, da ginástica rítmica, e Leigh Hennessy Robson, de tumbling e trampolim.

O time de trabalho estará envolvido na busca de novas instalações de treinamento de alto rendimento, tutoria e iniciativas educativas esportivas seguras.

"Os atletas são o coração e a alma de nossa organização. Se proporcionarão uma perspectiva e orientação importantes para tomar decisões informadas e transformar nossa cultura", disse a presidente da USA Gymnastics, Kerry Perry.

Também espera-se que o grupo seja um agente estabilizador, já que a organização tenta se recuperar do escândalo sob nova direção e com maiores regulações de segurança.

"A necessidade de mudança golpeou duramente a comunidade da ginástica no ano passado, criando um momento poderoso com enormes expectativas e oportunidades", disse Robson. "Temos a chance de ter um impacto", acrescentou.

Médico do time nacional, Nassar foi acusado de agressão sexual sob o pretexto de tratamento de mais de 265 mulheres, muitas delas ex-campeãs olímpicas pelos EUA. O ex-médico está cumprindo condenação de 60 anos de prisão por pornografia infantil e se declarou culpado de 10 acusações de agressão sexual.

Acompanhe tudo sobre:abuso-sexualAtletasEstados Unidos (EUA)Ginástica artística

Mais de Mundo

Com margem estreita, Milei tenta aprovar pacote de reformas no Senado argentino

Às vésperas do G7, EUA anuncia mais sanções contra Rússia pela guerra na Ucrânia

Gorjetas no exterior: dicas para viajar sem estresse

Milei retira Aerolíneas e Correios de lista de privatizações para tentar aprovar Lei de Bases

Mais na Exame