Acompanhe:

Fake news sobre coronavírus leva 44 pessoas à morte no Irã

O Irã é um dos países mais fechados do mundo e é um dos mais afetados pelo novo coronavírus. A EXAME, brasileiro relata a situação atual no país

Modo escuro

Continua após a publicidade
Irã: nesta terça-feira, dia 10, o país registrou mais 54 de mortes causadas pela doença, batendo o recorde mundial de novos óbitos nas últimas 24 horas (Nazanin Tabatabaee/Reuters)

Irã: nesta terça-feira, dia 10, o país registrou mais 54 de mortes causadas pela doença, batendo o recorde mundial de novos óbitos nas últimas 24 horas (Nazanin Tabatabaee/Reuters)

C
Carla Aranha

Publicado em 10 de março de 2020 às, 17h27.

Última atualização em 10 de março de 2020 às, 17h52.

São Paulo — Cerca de 150 brasileiros que vivem no Irã, trabalhando em ONGs ou empresas  privadas, estão bastante preocupados com a rápida propagação do coronavírus na região. Nesta terça-feira, 10, o país registrou mais 54 de mortes causadas pela doença, batendo o recorde mundial de novos óbitos nas últimas 24 horas.

Oficialmente, o Irã tem mais de 8.000 infectados, 230 mortos e é o terceiro país com mais casos da doença no mundo. A oposição, no entanto, alega que esse número pode ser maior, já que muitos casos não estariam sendo notificados.

As ruas de Teerã, capital do Irã, e de outras importantes cidades do país têm amanhecido praticamente vazias. Faltam máscaras e álcool-gel em quase todo o país. O estoque desses produtos já acabou na Embaixada do Brasil em Teerã, e diplomatas brasileiros alocados em países próximos têm enviado remessas desses materiais.

Mas os problemas não param por ai: a falta de informação sobre a doença tem levado a erros fatais. Na última semana, começaram a circular boatos de que o álcool poderia combater o vírus.

Como a venda e o consumo de bebidas alcóolicas é proibida no país, que segue à risca os preceitos do islamismo, as pessoas resolveram tomar álcool puro, usado para limpeza, ou bebidas contrabandeadas.

O resultado foi catastrófico e mais de 40 iranianos morreram nesta terça-feira por intoxicação causada por metanol.

Um brasileiro que mora no país e preferiu não se identificar conta à EXAME que moradores têm medo de falar publicamente sobre o assunto e sofrer represálias do governo. "A situação aqui é terrível, muito pior do que se pensa”, disse. Ele trabalha em uma ONG internacional que presta assistência a crianças carentes do país.

“Ninguém sabe ao certo o grau da crise, mas fala-se em mais de 1.500 mortos”, afirma. As mídias sociais estão sendo monitoradas, o que aumenta ainda mais o temor de falar sobre a epidemia e acabar tendo problemas com o governo.

O regime iraniano, centrado na figura do aiatolá Ali Khamanei, é considerado bastante repressor. Manifestações costumam ser contidas à bala e as mulheres são obrigadas a usar um véu, chamado hijab, para cobrir a cabeça. Estrangeiros não podem andar sozinhos pelo país – é preciso ter a companhia permanente de um guia de turismo local.

As comemorações do Ano Novo Persa, marcadas para o próximo dia 21, também estão comprometidas. O governo já anunciou que barreiras militares deverão ser instaladas nos principais pontos turísticos, como as praias do Mar Cáspio, para impedir o deslocamento de pessoas.

As rodovias com maior fluxo de automóveis também deverão ter o tráfego suspenso em boa parte do país. De qualquer forma, não há mesmo muito o que comemorar.

Últimas Notícias

Ver mais
Conservadores reforçam controle do Parlamento iraniano nas eleições, com abstenção recorde
Mundo

Conservadores reforçam controle do Parlamento iraniano nas eleições, com abstenção recorde

Há 8 horas

ONU tem 'preocupações crescentes' sobre capacidade do Irã de produzir arma atômica
Mundo

ONU tem 'preocupações crescentes' sobre capacidade do Irã de produzir arma atômica

Há 6 dias

Zema reitera no STF que não vai exigir vacinação completa de estudantes na rede estadual
Brasil

Zema reitera no STF que não vai exigir vacinação completa de estudantes na rede estadual

Há uma semana

Qual a diferença entre dengue e covid-19? Veja os sintomas
Brasil

Qual a diferença entre dengue e covid-19? Veja os sintomas

Há 2 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais