Acompanhe:

EUA veta resolução no Conselho de Segurança da ONU que exigia cessar-fogo na Faixa de Gaza

Representante do governo americano argumentou que a suspensão da ação militar permitiria ao Hamas continuar a dominar a região e a planejar novos conflitos

Modo escuro

Continua após a publicidade
Guerra em Israel: ataques do Hamas começaram em 7 de outubro no sul do país (Mohammed Zanoun/Getty Images)

Guerra em Israel: ataques do Hamas começaram em 7 de outubro no sul do país (Mohammed Zanoun/Getty Images)

Os Estados Unidos vetaram nesta sexta-feira, 8, uma resolução da Organização das Nações Unidas (ONU) apoiada por quase todos os outros membros do Conselho de Segurança e muitas outras nações que exigiria um cessar-fogo imediato em Gaza, onde os civis palestinos enfrentam o que o chefe da ONU chama de "pesadelo humanitário".

O vice-embaixador dos EUA na ONU, Robert Wood, criticou o conselho após a votação por não ter condenado o ataque do Hamas a Israel em 7 de outubro, no qual os militantes mataram cerca de 1,2 mil pessoas, a maioria civis, ou por não ter reconhecido o direito de Israel de se defender. Declarou que a suspensão da ação militar permitiria ao Hamas continuar a governar Gaza e "apenas plantar as sementes para a próxima guerra".

"Por essa razão, embora os Estados Unidos apoiem fortemente uma paz duradoura, na qual tanto israelenses como palestinos possam viver em paz e segurança, não apoiamos os apelos a um cessar-fogo imediato", explicou Wood.

Em um esforço fracassado para pressionar Washington a abandonar sua oposição a um cessar-fogo, os ministros das Relações Exteriores de Arábia Saudita e outras nações árabes importantes, além da Turquia, estiveram em Washington nesta sexta-feira. Mas a reunião com o secretário de Estado, Antony Blinken, estava marcada para ocorrer somente após a votação na ONU.

A campanha militar de mais de dois meses de Israel matou mais de 17,4 mil pessoas em Gaza — 70% delas mulheres e crianças — e feriu mais de 46 mil, segundo o Ministério da Saúde do território palestino, que afirma que muitas outras estão presas sob os escombros. O ministério não diferencia entre mortes de civis e combatentes.

O conselho convocou a reunião de emergência para ouvir o secretário-geral, António Guterres, que pela primeira vez invocou o Artigo 99 da Carta da ONU, que permite a um chefe da ONU levantar ameaças à paz e segurança internacionais.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Drone dos EUA cai na costa do Iêmen após suposto ataque huthi
Mundo

Drone dos EUA cai na costa do Iêmen após suposto ataque huthi

Há 8 horas

Guangdong lidera em turismo durante o feriado prolongado na China
Mundo

Guangdong lidera em turismo durante o feriado prolongado na China

Há 9 horas

Venezuela e Rússia ampliam cooperação petroleira e citam uso de energia nuclear
Mundo

Venezuela e Rússia ampliam cooperação petroleira e citam uso de energia nuclear

Há 9 horas

Nikki Haley descarta desistir de disputa com Trump por indicação republicana
Mundo

Nikki Haley descarta desistir de disputa com Trump por indicação republicana

Há 10 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais