Mundo

EUA rejeita proposta da Rússia para prorrogar pacto sobre armas nucleares

O tratado, assinado em 2010 e que expira em fevereiro, restringe número de ogivas nucleares estratégicas que os dois países podem mobilizar

Putin e Trump: tratado vence em fevereiro de 2021 (Carlos Barria/Reuters)

Putin e Trump: tratado vence em fevereiro de 2021 (Carlos Barria/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 16 de outubro de 2020 às 18h10.

Última atualização em 16 de outubro de 2020 às 18h14.

As perspectivas de prorrogação do mais recente tratado que limita a mobilização de armas nucleares estratégicas de Estados Unidos e Rússia pareciam desanimadoras nesta sexta-feira, 16, depois que o governo americano rejeitou uma proposta russa de renovação incondicional de um ano por considerá-la "inviável".

O novo Tratado de Redução de Armas Estratégicas (Start, na sigla em inglês), que foi assinado em 2010 e expira em fevereiro, restringe o número de ogivas nucleares estratégicas que os dois países podem mobilizar, além de mísseis e dos bombardeiros que os transportam.

Não renovar o pacto anularia todas as restrições, o que poderia dar ensejo a uma corrida armamentista pós-Guerra Fria e ampliar as tensões entre as duas maiores potências nucleares do mundo.

Falando por videoconferência em uma reunião do Conselho de Segurança russo que foi transmitida pela televisão estatal, o presidente Vladimir Putin disse que o tratado funcionou com eficiência até agora e que seria "extremamente triste" se deixasse de funcionar.

"No tocante a isso, proponho... prorrogar o tratado atual sem quaisquer condições por pelo menos um ano para que negociações significativas sobre todos os parâmetros dos problemas possam ser conduzidas", disse.

Horas depois, no entanto, o conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos Robert O'Brien rejeitou a oferta de Putin.

Ele reiterou que os Estados Unidos propuseram estender o acordo por um ano, durante o qual as mobilizações de todas as armas nucleares — estratégicas e táticas — seriam suspensas.

"A resposta do presidente Putin hoje para estender o novo Start sem congelar todas as ogivas nucleares é inútil", disse O'Brien em comunicado. "Esperamos que a Rússia reavalie sua posição antes que ocorra uma custosa corrida armamentista."

Acompanhe tudo sobre:ArmasArmas nuclearesDonald TrumpEstados Unidos (EUA)RússiaVladimir Putin

Mais de Mundo

Para aumentar inovação, Xangai emite regulamento para gestão de projetos de tecnologias disruptivas

Aprovação de Lei de Bases marca nova fase de Milei, diz analista argentino

Irã está expandindo suas capacidades nucleares, diz agência de energia atômica da ONU

Inflação na Argentina cai pela metade e atinge 4,2% em maio

Mais na Exame