EUA: FBI encontrou documentos secretos em resort de Trump

O mandado diz que agentes federais estavam investigando possíveis violações de três leis federais diferentes
Donald Trump, ex-presidente dos Estados Unidos (Scott Olson/Getty Images)
Donald Trump, ex-presidente dos Estados Unidos (Scott Olson/Getty Images)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 13/08/2022 às 09:58.

O FBI recuperou documentos "top secret" (mais alt classificação de sigilo nos EUA) e outros ainda mais sensíveis no resort de Mar-a-Lago, do ex-presidente americano Donald Trump. A informação consta em documentos judiciais divulgados ontem depois que um juiz federal abriu o mandado que autorizou a busca repentina e sem precedentes nesta semana.

Um recibo de propriedade não lacrado pelo tribunal mostra que agentes do FBI levaram 11 conjuntos de registros confidenciais da propriedade durante uma busca na última segunda-feira (08).

Os registros apreendidos incluem alguns marcados não apenas como ultrassecretos, mas também como "informações compartimentadas confidenciais", uma categoria especial destinada a proteger os segredos mais importantes do país que, se revelados publicamente podem causar danos "excepcionalmente graves" aos interesses dos EUA. Os registros do tribunal não forneceram detalhes específicos sobre as informações que os documentos podem conter.

O mandado diz que agentes federais estavam investigando possíveis violações de três leis federais diferentes, incluindo uma que rege a coleta, transmissão ou perda de informações de defesa sob a Lei de Espionagem. Os demais estatutos tratam da ocultação, mutilação ou remoção de registros e destruição, alteração ou falsificação de registros em investigações federais.

O recibo da propriedade também mostra que agentes federais coletaram outros registros presidenciais em potencial, incluindo a ordem de perdão ao aliado de Trump, Roger Stone, uma "caixa de documentos encadernados" e informações sobre o "presidente da França", Emmanuel Macron. Na busca também foram apreendidos um fichário com fotos, uma nota manuscrita, "documentos secretos diversos" e "documentos confidenciais diversos".

A advogada de Trump, Christina Bobb, que estava presente em Mar-a-Lago quando os agentes conduziram a busca, assinou dois recibos de propriedade - um com duas páginas e outro com uma única página.

Em um comunicado na sexta-feira, Trump afirmou que os documentos apreendidos pelos agentes foram "todos desconfidencializados" e argumentou que ele os teria entregado se o Departamento de Justiça tivesse solicitado.

Embora os presidentes americanos em exercício geralmente têm o poder de desconfidencializar informações, essa autoridade expira assim que eles deixam o cargo e não ficou claro se os documentos em questão já foram desconfidencializados. E mesmo os poderes de um titular podem ser limitados em relação a segredos que lidam com programas de armas nucleares, operações e agentes secretos e alguns dados compartilhados com aliados.

Trump manteve a posse dos documentos apesar de vários pedidos de agências, incluindo o Arquivo Nacional, para entregar os registros presidenciais de acordo com a lei federal.