Mundo

Em isolamento, indianos realizam casamentos por transmissão ao vivo

Casamentos online podem se tornar uma opção rápida e barata para os casais nesta época de incertezas sobre a duração da pandemia de coronavírus

Índia: No estado do Rajastão, cerca de 23.000 casamentos, no mesmo dia do festival hindu Akshaya Tritiya, em 26 de abril, foram canceladas (Ritesh Shukla/NurPhoto/Getty Images)

Índia: No estado do Rajastão, cerca de 23.000 casamentos, no mesmo dia do festival hindu Akshaya Tritiya, em 26 de abril, foram canceladas (Ritesh Shukla/NurPhoto/Getty Images)

A

AFP

Publicado em 8 de maio de 2020 às 13h02.

Última atualização em 8 de maio de 2020 às 15h12.

Quando a data do casamento de Sushen Dang e Keerti Narang foi marcada, os noivos nunca imaginaram que trocariam seus votos a milhares de quilômetros um do outro e diante de aproximadamente 16.000 "convidados" virtuais, todos confinados em suas casas.

Em uma Índia famosa por seus casamentos gigantescos, o confinamento nacional deu fim às grandes recepções.

Ansiosos para se casar na data que considerada um bom presságio, alguns casais optam agora pelo matrimônio por videoconferência.

"Nunca imaginamos que nosso casamento on-line seria tão grande", confessa Sushen Dang, analista de dados de 26 anos, que se casou com Keerti Narang através do aplicativo Zoom em 19 de abril.

Com turbante e túnica tradicionais, o noivo se conectou na megalópole de Bombaim, enquanto sua futura esposa, com vestes em roxo e ouro, sentou-se junto com seus pais em um salão de Bareli, cidade de Uttar Pradesh, situada a 1.200 quilômetros ao norte.

O sacerdote hindu, que comandava a cerimônia e cantava os ritos religiosos, estava de pé diante de uma fogueira em sua casa no estado de Chhattisgarh, centro da Índia.

"Uma centena de convidados se uniu à celebração pelo aplicativo (Zoom). Ao mesmo tempo, transmitimos a cerimônia no Facebook, que foi acompanhada ao vivo por mais 16.000 pessoas", comenta o noivo.

10 milhões de casamentos

Houve alguns pequenos incidentes técnicos, mas o ambiente foi festivo e terminou com uma coreografia de dança bollywoodiana realizada por primos do outro lado da tela.

O confinamento nacional imposto desde o final de março para conter a propagação do coronavírus neste país de 1,3 bilhão de habitantes começou na alta temporada de casamentos.

No estado do Rajastão (oeste), 23.000 cerimônias programadas para coincidir com o festival hindu Akshaya Tritiya em 26 de abril foram canceladas, devido à pandemia.

"Pensamos: por que não sermos os pioneiros e propor casamentos on-line?", explica Adhish Zaveri, diretor de marketing do Shaadi.com, site que organizou a união de Sushen Dang e Keerti Narang.

"Um casamento provavelmente é o dia mais importante da vida de alguém e pensamos em como torná-lo mais especial e próximo a um verdadeiro", conta à AFP.

Os casamentos on-line podem se tornar uma opção barata para os casais que vão se casar em pouco tempo, em um contexto de incertezas sobre a duração e a evolução da pandemia, considera.

Shaadi.com já organizou duas cerimônias pela Internet e prepara mais dez. Os casais pagam 100.000 rupias (cerca de 1.330 dólares) por este serviço, muito distante dos enormes gastos que normalmente movem os casamentos na Índia.

Todos os convidados recebem login e senha para se conectar. Para dar um toque profissional a estas cerimônias confinadas, maquiadoras e especialistas em sari (vestido tradicional) são enviadas até a noiva. Um cantor também anima os participantes.

Kirti Agrawal, que casou na varanda com seu prometido Avinash Singh Bagri em 14 de abril, enquanto seus familiares e amigos acompanhavam a cerimônia por vídeo, aprecia o lado intimista desses casamentos on-line. E comemora do que escapou: "A família (do noivo) havia previsto uma lista de convidados de 8.000 a 10.000 pessoas", comenta ela.

Acompanhe tudo sobre:CasamentoCoronavírusÍndia

Mais de Mundo

Coreia do Sul retoma propaganda com alto-falantes após receber mais balões com lixo do Norte

Direita tem resultado histórico na Europa, mas partidos de centro devem manter maioria no parlamento

Ministro da Guerra de Israel renuncia por falta de plano para fim do conflito em Gaza

Ultradireita avança na Bélgica, mas sem destronar conservadores nas eleições nacionais e regionais

Mais na Exame