Mundo

Efeitos do choque de energia na Europa são "substanciais e contínuos", diz IIF

Por fim, o relatório afirma que a queda na produção intensiva deve provocar uma recessão na zona do euro

Europa: para o IIF, o recuo recente nos preços de gás podem ser um sinal errôneo quanto à recuperação do euro (Getty Images/Getty Images)

Europa: para o IIF, o recuo recente nos preços de gás podem ser um sinal errôneo quanto à recuperação do euro (Getty Images/Getty Images)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 26 de janeiro de 2023 às 15h00.

Última atualização em 26 de janeiro de 2023 às 15h27.

O Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês) disse, em relatório, que o choque de energia na Europa ainda não chegou ao fim e que segue "substancial e contínuo" em seus efeitos, visto que os preços do gás natural no continente estão entre 220% e 230% acima das médias de antes da pandemia de covid-19.

Um dos principais destaques que justificam o cenário contínuo de crise na Europa são as "evidências de que a produção em setores intensivos de energia continua reprimida", de acordo com o IIF. Um dos exemplos do relatório é a produção das indústrias química e farmacêutica da Alemanha, que atualmente se encontram 15% abaixo de seus níveis pré-choque de energia.

Por fim, o relatório afirma que a queda na produção intensiva deve provocar uma recessão na zona do euro, o que tornará "difícil de justificar futuros aumentos de taxa de juro pelo Banco Central Europeu (BCE)".

Para o IIF, o recuo recente nos preços de gás podem ser um sinal errôneo quanto à recuperação do euro.

Acompanhe tudo sobre:BCEEuropaGás

Mais de Mundo

Dalai Lama chega a Nova York para tratamento nos joelhos

Chefe de Governo alemão pede a Milei para prestar atenção à 'coesão social'

Calor extremo mata mais de mil pessoas durante peregrinação a Meca

Ministro israelense viaja a Washington para negociações cruciais sobre guerra em Gaza

Mais na Exame