Mundo

Coreia do Sul e Japão fazem encontro de cúpula, em meio a tensões na região

Evento de dois dias é a primeira cúpula diplomática entre os dois países em mais de uma década, em meio a tensões com a Coreia do Norte e a China

Photo taken in Novi Sad, Serbia (Getty Images/Getty Images)

Photo taken in Novi Sad, Serbia (Getty Images/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 9 de março de 2023 às 09h29.

O presidente sul-coreano, Yoon Suk Yeol, visita Tóquio para conversas com o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, na próxima semana. O evento de dois dias é a primeira cúpula diplomática entre os dois países em mais de uma década, em meio a tensões com a Coreia do Norte e a China, que aproximam os dois aliados dos Estados Unidos.

A viagem foi anunciada pelos dois lados nesta quinta-feira e ocorre após o governo da Coreia do Sul publicar nesta semana um plano para pagar compensação aos coreanos forçados a trabalhar em empresas japonesas durante a Segunda Guerra.

Pelo plano, as empresas em si não terão de fazer pagamentos. Yoon tem buscado melhorar laços com o Japão, com apoio de Washington, a fim de coordenar melhor em áreas como defesa de mísseis, enquanto Pyongyang continua a avançar em seus programas de mísseis e também de armas nucleares.

O Japão também almeja ampliar a cooperação entre os países na região para conter o poderio militar e econômico da China. A visita de Yoon, entre 16 e 17 de março, será a primeira de um líder coreano ao Japão desde que o então presidente Moon Jae-in visitou Osaka em 2019, para participar de uma cúpula do G-20.

O então premiê japonês, Shinzo Abe, recusou-se a conversar com Moon, pois um tribunal coreano havia decidido que empresas japonesas deveriam pagar compensação aos trabalhadores citados.

Acompanhe tudo sobre:Coreia do SulJapãoChinaCoreia do Norte

Mais de Mundo

Às vésperas do G7, EUA anuncia mais sanções contra Rússia pela guerra na Ucrânia

Gorjetas no exterior: dicas para viajar sem estresse

Milei retira Aerolíneas e Correios de lista de privatizações para tentar aprovar Lei de Bases

Hezbollah ataca Israel com mais de 100 foguetes após assassinato de comandante

Mais na Exame