Mundo

Coreia do Norte envia balões com ‘lixo e fezes’ para a Coreia do Sul

Cerca de 150 balões foram identificados entre terça-feira, 28, e quarta-feira, 29, de acordo com militares sul-coreanos

Tática dos balões é usada pelos dois lados para enviarem lixo ou propaganda contra os governos locais. (Getty Images/Getty Images)

Tática dos balões é usada pelos dois lados para enviarem lixo ou propaganda contra os governos locais. (Getty Images/Getty Images)

Fernando Olivieri
Fernando Olivieri

Redator na Exame

Publicado em 29 de maio de 2024 às 10h02.

A Coreia do Norte enviou balões cheios de lixo, papel higiênico e suspeitas de fezes animais para a Coreia do Sul, conforme relataram os meios de comunicação locais na quarta-feira, 29, com o exército de Seul criticando Pyongyang por suas ações "de baixo nível". As informações são da AFP.

Fotografias mostrando balões brancos carregando sacos de lixo e o que parecia ser excremento foram amplamente compartilhadas pela mídia sul-coreana, depois que o Norte avisou neste fim de semana que iria "inundar as áreas fronteiriças com montes de papel e sujeira" para punir Seul.

O Estado-Maior conjunto da Coreia do Sul afirmou que "objetos não identificados, que se acredita serem folhetos de propaganda norte-coreanos, foram identificados na área fronteiriça de Gyeonggi-Gangwon e o exército está tomando medidas".

A Coreia do Sul afirma que as ações do Norte "violam claramente as leis internacionais e ameaçam seriamente a segurança do nosso povo", dizendo que alguns dos balões continham suspeitas de lixo, que o exército estava verificando.

Mensagem de alerta

Na noite de terça-feira, 28, a província de Gyeonggi emitiu um alerta por mensagem de texto aos residentes, dizendo: "Evitem atividades ao ar livre e relatem (objetos da Coreia do Norte) às bases militares quando identificados."

Ativistas sul-coreanos às vezes lançam balões carregando folhetos de propaganda contra o regime de Kim Jong Un e dinheiro destinado às pessoas que vivem ao norte da fronteira. Pyongyang tem ficado furiosa com as campanhas de propaganda, possivelmente devido à preocupação de que um influxo de informações externas na sociedade rigidamente controlada possa representar uma ameaça ao regime de Kim.

'Papel Higiênico e lixo'

A Coreia do Norte já enviou balões de propaganda através da fronteira antes, em 2016, por exemplo, mas sua abordagem é diferente desta vez. Na segunda-feira, 27 , a Coreia do Norte tentou colocar um segundo satélite espião em órbita, mas o lançamento terminou em uma explosão no ar.

Seul realizou exercícios com jatos de combate horas antes da tentativa, em protesto, depois que Pyongyang informou Tóquio sobre a janela de lançamento pendente no início da semana.

Kim, da Coreia do Norte, disse que a resposta de Seul foi "imprudente", segundo um relatório da KCNA na quarta-feira. Kim disse que "a situação atual exige um fortalecimento ainda maior da dissuasão de guerra de todas as formas e o desenvolvimento constante das forças armadas da RPDC em uma entidade de força superpoderosa e absoluta", dizia o relatório.

Acompanhe tudo sobre:Coreia do SulCoreia do NorteGuerrasÁsia

Mais de Mundo

Ministro da Guerra de Israel renuncia por falta de plano para fim do conflito em Gaza

Ultradireita avança na Bélgica, mas sem destronar conservadores nas eleições nacionais e regionais

Macron dissolve parlamento e convoca novas eleições na França

Setor espacial privado: o novo campo de batalha entre China e Estados Unidos

Mais na Exame