Comitê de ética investiga pagamentos feitos por membro do COI

Pagamentos foram feitos pouco antes da votação em 2009 em Copenhague para decidir o local dos Jogos de 2016, em que o Rio de Janeiro saiu escolhido

Anéis olímpicos: investigação envolverá pagamentos feitos por membros do COI (Kirill Kudryavtsev/AFP)

Anéis olímpicos: investigação envolverá pagamentos feitos por membros do COI (Kirill Kudryavtsev/AFP)

R

Reuters

Publicado em 3 de março de 2017 às 12h54.

Londres - A comissão de ética do Comitê Olímpico Internacional (COI) começou a investigar uma acusação sobre pagamentos envolvendo um importante membro do COI pouco antes de o Rio de Janeiro ser eleito em 2009 como sede dos Jogos de 2016, informou o COI nesta sexta-feira.

O jornal francês Le Monde disse nesta sexta que procuradores estão investigando pagamentos ao ex-velocista da Namíbia, membro do COI e membro do conselho da Federação Internacional de Associações de Atletismo (Iaaf) Frankie Fredericks e a Papa Massata Diack, filho do ex-chefe da Iaaf Lamine Diack, que atualmente está sob investigação por acusações de fraude e corrupção.

Os pagamentos foram feitos pouco antes da votação em 2009 em Copenhague para decidir o local dos Jogos de 2016.

"O COI continua totalmente comprometido em esclarecer esta situação, trabalhando em cooperação com a Procuradoria (da França)", informou a organização em comunicado.

"Até onde envolve o sr. Fredericks, ele informou ao COI e explicou a situação e enfatizou sua inocência imediatamente após ser contatado pelo jornalista. O COI confia que o sr. Fredericks irá trazer todos os elementos para provar sua inocência contra estas acusações feitas pelo Le Monde", acrescentou.

"Imediatamente após uma ligação ser feita entre o pagamento contratual e a votação para a cidade-sede dos Jogos Olímpicos de 2016, o sr. Fredericks foi à Comissão de Ética do COI, que agora acompanha todas as acusações para esclarecer totalmente esta questão".

Mais de Mundo

Ordem judicial retira da oposição venezuelana o controle de um de seus maiores partidos

Equador captura líder criminoso foragido que ameaçou procuradora-geral

Polônia indica que poderia abrigar armas nucleares de outros membros da Otan para conter Rússia

Após prisões em Columbia, protestos contra a guerra em Gaza se espalham por universidades dos EUA

Mais na Exame