Mundo

Com alto custo de guerra, Rússia planeja aumentar impostos sobre empresas e mais ricos

Guerra da Rússia contra a Ucrânia custará ao bolso da população local; país sofre com dívida profunda por causa de conflito

Economia da Rússia sofre com os efeitos da guerra contra a Ucrânia. (Kutay Tanir/Getty Images)

Economia da Rússia sofre com os efeitos da guerra contra a Ucrânia. (Kutay Tanir/Getty Images)

Fernando Olivieri
Fernando Olivieri

Redator na Exame

Publicado em 29 de maio de 2024 às 08h20.

A Rússia anunciou que planeja aumentar os impostos sobre empresas e pessoas ricas à medida que a invasão da Ucrânia pressiona as finanças do governo, de acordo com informações da Bloomberg. O plano do Ministério das Finanças introduziria um novo imposto de renda progressivo. Além disso, a alíquota do imposto sobre lucros corporativos subiria para 25% dos atuais 20%, a partir de 2025, conforme relatado pela Interfax. As taxas de extração de minério de ferro, potássio e fertilizantes fosfatados também aumentariam.

O pacote completo arrecadaria 2,6 trilhões de rublos (R$ 151 bilhões) adicionais em 2025, com mais da metade desse valor vindo do aumento do imposto sobre lucros corporativos. O Ministério das Finanças disse em um comunicado que as propostas foram submetidas ao gabinete e poderiam ser aprovadas na câmara baixa do parlamento antes do recesso de verão. O imposto de renda pessoal progressivo afetaria cerca de 2 milhões de pessoas, ou 3,2% da força de trabalho total, disse o Ministro das Finanças Anton Siluanov em um comunicado. As alíquotas variariam dos atuais 13% para aqueles que ganham até 2,4 milhões de rublos (R$ 140 mil) por ano a até 22% para aqueles que ganham mais de 50 milhões de rublos (R$ 2,9 milhões).

A Rússia tem registrado um déficit orçamentário desde o final de 2022, refletindo os altos custos da invasão da Ucrânia por Putin em fevereiro daquele ano. Os gastos com o Ministério da Defesa e o setor de segurança da Rússia estão se aproximando de 6,7% do produto interno bruto, níveis alcançados pela União Soviética no auge da Guerra Fria nos anos 1980, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, no início deste mês, segundo a Interfax.

Rússia com dívida profunda

O Kremlin aumentou os gastos fiscais após a reeleição do presidente Vladimir Putin em março, colocando o orçamento de volta em um profundo déficit, apesar do aumento nas receitas do petróleo. O déficit foi de 1,5 trilhão de rublos (R$ 7,7 bilhões) no acumulado do ano até abril, mais que o dobro do mês anterior, disse o Ministério das Finanças na segunda-feira. Embora não tenha detalhado os totais mensais, cálculos da Bloomberg mostram que o orçamento entrou em déficit de 877 bilhões de rublos (R$ 5,5 bilhões) em abril, após um superávit em março.

Os gastos estão aumentando rapidamente à medida que a guerra contra a Ucrânia absorve cada vez mais fundos. As despesas em abril aumentaram em um quarto em comparação com o mesmo período do ano passado, segundo cálculos da Bloomberg, atingindo o nível mensal mais alto deste ano. A Rússia gastou 128 bilhões de rublos por dia em abril (R$ 7,7 bilhões) - contra 102 bilhões de rublos (R$ 5,9 bilhões) em março - um aumento acentuado que o Ministério das Finanças atribui a grandes pagamentos antecipados.

A generosidade compensou o aumento das receitas do petróleo em abril, que mais que dobraram em relação ao ano anterior. Apesar das sanções internacionais destinadas a limitar o fluxo de dinheiro para financiar a guerra na Ucrânia, a Rússia conseguiu contornar ou, pelo menos, atenuar as restrições. A Rússia tem registrado um déficit orçamentário desde o final de 2022, refletindo os altos custos da invasão da Ucrânia por Putin em fevereiro daquele ano. O governo está injetando recursos em indústrias cruciais para o esforço de guerra, garantindo crescimento de dois dígitos em setores que produzem bens usados pelos militares. A Rússia tem como meta um déficit orçamentário de 0,9% do produto interno bruto este ano.

Impacto na guerra Rússia-Ucrânia

A invasão da Ucrânia pela Rússia em 2022 desencadeou o pior colapso nas relações com o Ocidente em 60 anos, e a crise está escalando para o que diplomatas dizem ser sua fase mais perigosa até agora. A invasão causou a morte de dezenas de milhares de civis ucranianos, forçou milhões a fugir para o exterior e reduziu bairros e cidades inteiras a escombros.

A Rússia, que controla 18% da Ucrânia, está avançando e abriu uma nova frente na região de Kharkiv, desencadeando um debate no Ocidente sobre o que mais pode ser feito após dar a Kyiv centenas de bilhões de dólares em ajuda, armas e inteligência. Líderes ocidentais e a Ucrânia minimizaram os avisos da Rússia sobre o risco de uma guerra mais ampla envolvendo a Rússia, a maior potência nuclear do mundo, e a OTAN, a aliança militar mais poderosa do mundo liderada pelos Estados Unidos.

A Ucrânia diz que deve ser capaz de atacar além das linhas russas, incluindo o território soberano russo, para se defender. Mas os oficiais russos dizem que a paciência de Moscou está se esgotando após repetidos ataques ucranianos a cidades russas, refinarias de petróleo e, nos últimos dias, até mesmo contra elementos de seu sistema de alerta nuclear. Questionado pela televisão estatal russa sobre a legitimidade do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, Putin disse que a única autoridade legítima na Ucrânia agora era o parlamento e que seu chefe deveria receber o poder. Zelensky não enfrentou uma eleição, apesar do término de seu mandato devido à lei marcial imposta após a invasão.

Acompanhe tudo sobre:RússiaEconomiaVladimir Putin

Mais de Mundo

Hungria: partido de Orbán mantém maioria na UE, mas vê ascenção de grupo rival

Conselho de Segurança aprova resolução para cessar-fogo em Gaza apoiada pelos EUA

Lula e Putin conversam sobre Ucrânia por telefone

Lula se reunirá com Papa Francisco, Macron, Modi e von der Leyen no G7, na Itália

Mais na Exame