China refuta reportagem sobre tentativa de obter dados do Fed

"A reportagem que vocês mencionaram é uma mentira política fabricada por uns poucos republicanos mal-intencionados", afirma Ministro de Relações Exteriores da China
Zhao Lijian: "não tem base factual" (VCG/Getty Images)
Zhao Lijian: "não tem base factual" (VCG/Getty Images)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 27/07/2022 às 10:15.

O governo da China classificou como "mentira política" uma reportagem do The Wall Street Journal sobre tentativa de Pequim de recrutar informantes no sistema do Federal Reserve (Fed o banco central americano) para obter dados econômicos dos EUAA matéria, que cita uma investigação de um comitê do Senado americano, veio após acusações anteriores de invasão de computadores por chineses e outros esforços para roubar informações comerciais e governamentais dos EUA.

Leia também: Senado dos EUA acusa China de acessar informações privilegiadas do Fed

Porta-voz do Ministério de Relações Exteriores chinês, Zhao Lijian disse nesta quarta-feira que a reportagem "não tem base factual". Segundo o WSJ, autoridades chinesas tentaram recrutar funcionários de distritais regionais do Fed com o oferecimento de contratos. Um funcionário do Fed que visitou Xangai em 2019, em meio às tensões comerciais entre EUA e China, foi ameaçado de prisão para revelar dados, inclusive sobre tarifas, relatou o jornal.

"A reportagem que vocês mencionaram é uma mentira política fabricada por uns poucos republicanos mal-intencionados", disse Zhao, atribuindo o caso à "Chinafobia" e "mania de perseguição".

O WSJ alega que relatório do Senado não deu indicação sobre a perda de informações sensíveis durante os esforços chineses, que tiveram início em cerca de 2013.

Veja também

Viagem de Nancy Pelosi a Taiwan deve alimentar tensões entre EUA e China

Estudos apontam para uma nova origem da covid-19 na China