Mundo

China pretende controlar capacidade de processamento de petróleo bruto em até 1 bilhão de toneladas

Além disso, espera-se que a eficiência na utilização de energia e recursos na indústria de refino seja melhorada

China2Brazil
China2Brazil

Agência

Publicado em 10 de junho de 2024 às 10h17.

O Comitê Nacional de Desenvolvimento e Reforma da China e outros cinco departamentos emitiram o “Plano de Ação Específico para a Economia de Energia e Redução de Carbono na Indústria de Refinaria”. Uma das metas é que, até o final de 2025, a capacidade inicial de processamento nacional de petróleo bruto seja controlada dentro de 1 bilhão de toneladas.

Além disso, espera-se que a eficiência na utilização de energia e recursos na indústria de refino seja melhorada, a proporção da capacidade acima do nível padrão de referência de energia exceda 30%, e a capacidade abaixo do nível padrão de referência de energia conclua a transformação tecnológica, caso contrário, será excluída.

De 2024 a 2025, através da implementação da reforma de economia de energia e redução de carbono na indústria de refino e da atualização de equipamentos energéticos, formarão cerca de 2 milhões de toneladas padrão de energia economizada e cerca de 5 milhões de toneladas de dióxido de carbono reduzidas. Até o final de 2030, a disposição da indústria de refino será ainda mais otimizada, a proporção da eficiência energética acima do nível padrão de referência de energia continuará a aumentar, e a eficiência básica dos principais equipamentos energéticos atingirá o nível avançado.

A eficiência na utilização de energia e recursos na indústria de refino atingirá o nível avançado internacional, e a proporção do consumo de energia elétrica verde e hidrogênio verde no processo de produção aumentará significativamente, conseguindo resultados notáveis no desenvolvimento verde e de baixa carbono na indústria de refino.

O projeto prevê ainda otimizar a estrutura e disposição industrial, além de controlar rigorosamente a escala da capacidade de refino, proibindo novos projetos de expansão indireta da capacidade de refino sob o pretexto de utilização integral de petróleo pesado, pré-tratamento de matérias-primas, unidades de asfalto.

O texto também inclui uma regra de aplicação rigorosa dos requisitos de entrada de energia eficiente para novos projetos, implementar o sistema de avaliação do impacto ambiental de projetos de construção, garantir que novos projetos e projetos de expansão e reforma atinjam o nível padrão de referência de energia eficiente e o nível A de desempenho ambiental, e que os principais equipamentos energéticos atinjam o nível avançado de eficiência energética.

Fonte: yicai.com

Acompanhe tudo sobre:ChinaPetróleo

Mais de Mundo

Alckmin destaca aprofundamento da parceria estratégica entre Brasil e China

Antony Blinken visita Egito e Jerusalém em meio a negociações de cessar-fogo em Gaza

Setor espacial privado, o novo campo de batalha entre China e EUA

Cinco pontos essenciais para entender os efeitos das eleições na União Europeia

Mais na Exame