Mundo

China diz que discutirá mudanças climáticas e outros assuntos com EUA

Oficiais do governo Biden tiveram, no Alaska, o primeiro encontro presencial com seus homólogos chineses desde que assumiram seus cargos no início deste ano

Mudança climática é vista como uma área em que as duas nações poderão colaborar. (Frederic J. Brown/Reuters)

Mudança climática é vista como uma área em que as duas nações poderão colaborar. (Frederic J. Brown/Reuters)

TL

Thiago Lavado

Publicado em 20 de março de 2021 às 21h50.

A China afirmou neste sábado, 20, que concordou com os Estados Unidos em discutir mudanças climáticas e alguns outros assuntos, sinalizando um possível progresso em conversas concluídas recentemente, que foram marcadas por discussões públicas sobre assuntos que dividem as duas maiores economias do mundo.

A agência de estatal Xinhua disse que a China e os EUA decidiram criar um grupo de trabalho sobre mudanças climáticas e ter conversas para "facilitar atividades de (...) missões diplomáticas e consulares", e em assuntos relacionados aos jornalistas de ambos os países.

As nações tiveram conflitos relacionados a vistos para jornalistas durante o governo Donald Trump, e mudança climática é vista como uma área em que elas poderão colaborar.

Altos oficiais do governo Biden tiveram, no Alaska, o primeiro encontro presencial com seus homólogos chineses desde que assumiram seus cargos no início deste ano. As conversas começaram com falas tensas e longas sobre direitos humanos em frente às câmeras de televisão, antes da reunião a portas fechadas.

A reportagem da Xinhua não deu detalhes sobre o grupo de trabalho de mudanças climáticas, apenas disse que os dois países estão comprometidos a melhorar a comunicação e a cooperação na área. A agência também afirmou que os dois lados discutiram ajustar as políticas de viagens e vistos e também arranjos recíprocos para a vacinação de seus diplomatas.

Embora a matéria tenha falado que ambos os países concordaram em conversar sobre missões consulares e jornalistas, as disputas anteriores não foram mencionadas. Os EUA ordenaram o fechamento do consulado chinês em Houston no ano passado, e a China respondeu fechando o consulado americano na cidade de Chengdu. Jornalistas chineses nos EUA e estrangeiros trabalhando para a mídia americana na China agora estão recebendo apenas permissões de três meses, aumentando a incerteza em seus trabalhos, embora as permissões venham, em geral, sendo renovadas.

 

Acompanhe tudo sobre:ChinaEnergia renovávelEstados Unidos (EUA)Meio ambienteMudanças climáticas

Mais de Mundo

Com margem estreita, Milei tenta aprovar pacote de reformas no Senado argentino

Às vésperas do G7, EUA anuncia mais sanções contra Rússia pela guerra na Ucrânia

Gorjetas no exterior: dicas para viajar sem estresse

Milei retira Aerolíneas e Correios de lista de privatizações para tentar aprovar Lei de Bases

Mais na Exame