Mundo

China aumenta em 5,7% a produção de carvão para enfrentar falta de energia

O carvão, uma fonte de energia particularmente poluente, proporciona quase 60% da produção de eletricidade da China

O presidente chinês, Xi Jinping, prometeu reduzir as emissões poluentes antes de 2030 (Hector RETAMAL/AFP)

O presidente chinês, Xi Jinping, prometeu reduzir as emissões poluentes antes de 2030 (Hector RETAMAL/AFP)

A

AFP

Publicado em 19 de outubro de 2021 às 07h38.

A China está aumentando a produção de carvão em quase 6% para enfrentar a escassez de energia, anunciaram as autoridades. A China é provavelmente o maior produtor mundial de carvão e o país mais poluente do mundo.

Em um comunicado, a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC) afirmou na segunda-feira que autorizou a abertura de 153 minas desde o mês passado para aumentar sua capacidade de produção em 220 milhões de toneladas por ano.

Na comparação com a produção total da China no ano passado (3,84 bilhões de toneladas) representa um aumento de 5,7%.

A decisão de aumentar a produção responde à necessidade de "assegurar o fornecimento de carvão durante o inverno e a próxima primavera", explicou a NDRC.

Apenas no trimestre atual, a produção das minas deve aumentar em 50 milhões de toneladas, segundo a comissão. A NDRC destacou que a produção diária de carvão alcançou recentemente o recorde de 11,5 milhões de toneladas.

O presidente chinês, Xi Jinping, prometeu que o país começaria a reduzir as emissões poluentes antes de 2030.

O carvão, uma fonte de energia particularmente poluente, proporciona quase 60% da produção de eletricidade da China.

Nas últimas semanas, a China sofreu cortes de energia que interromperam a produção industrial em várias regiões.

Entre as razões mencionadas para os cortes estão a recuperação econômica global que multiplica a atividade manufatureira, os limites de produção de carvão impostos em nome das metas climáticas e a existência de um preço regulado para a eletricidade.

O governo anunciou recentemente uma desregulamentação parcial da energia elétrica vendida à indústria.

Em antecipação à conferência climática da ONU (COP26) que acontecerá em Glasgow, Escócia, a partir de 31 de outubro, o presidente Xi prometeu em setembro que o país vai parar de construir novas centrais elétricas de carvão no exterior.

Acompanhe tudo sobre:CarvãoChinaEnergia elétrica

Mais de Mundo

Otan anuncia ‘muro de drones’ em sua fronteira com a Rússia após nova provocação de Moscou

Tratado para preparar o mundo para a próxima pandemia termina sem acordo

Onda de calor: México registra 48 mortes devido às altas temperaturas

Pandemia de covid reduziu em quase 2 anos expectativa de vida entre 2019 e 2021

Mais na Exame