Mundo

China apresenta plano para reforçar setor de tecnologia e economia digital

Parlamento deve aprovar o plano durante a reunião anual que acontece esta semana

Presidente Xi Jinping durante a sessão anual do Parlamento da China (AFP/AFP)

Presidente Xi Jinping durante a sessão anual do Parlamento da China (AFP/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 8 de março de 2023 às 07h43.

A China apresentou um plano para reforçar o ministério da Ciência e Tecnologia e para criar uma autoridade central de dados, que ficará responsável por supervisionar a economia digital, em uma tentativa de estimular os dois setores em busca da autossuficiência.

A ampla reestruturação anunciada pelo governo chinês na terça-feira pretende concentrar os recursos do ministério na coordenação dos "avanços científicos e tecnológicos".

O plano também prevê a criação de uma administração nacional de dados que supervisionará a economia digital e reduzirá em 5% o quadro de funcionários das instituições centrais para realocá-los em "áreas-chave".

A reestruturação coincide com a estratégia de Pequim de destinar recursos à pesquisa e ao setor manufatureiro diante das restrições impostas às empresas de tecnologia chinesas pelos Estados Unidos e seus aliados.

O Parlamento da China deve aprovar o plano durante a reunião anual que acontece esta semana.

O ministério da Ciência delegará suas responsabilidades nas áreas de desenvolvimento social e rural a outros departamentos e "otimizará sua gestão na cadeia de inovação científica e tecnológica", destaca o plano.

Por sua vez, a nova administração de dados coordenará o uso de dados digitais, o que inclui as "cidades inteligentes", afirma o projeto.

Acompanhe tudo sobre:Chinaempresas-de-tecnologia

Mais de Mundo

Israel autoriza retomada das negociações para obter a libertação dos reféns em Gaza

A corrida contra o tempo de Rishi Sunak para as eleições britânicas

EUA e Ucrânia acusam Rússia de usar gás tóxico proibido, revela WSJ

Alemanha diz que vai prenderá Netanyahu se houver ordem do Tribunal Penal Internacional

Mais na Exame