Mundo

Chefe das Forças Armadas do Quênia morre em queda de helicóptero, diz presidente do país

Outros 9 oficiais morreram junto do general Francis Ogolla; as autoridades do país investigam o caso

Prime Minister of Ethiopia Abiy Ahmed (unseen), President of Kenya William Ruto (unseen) and Chief of Kenya Defence Forces General Francis Ogolla look on while inspecting a guard of honour by members of the Kenya Defence Forces (KDF) during his official state visit to State House in Nairobi, on February 28, 2024. (Photo by LUIS TATO / AFP) (Photo by LUIS TATO/AFP via Getty Images) (LUIS TATO/AFP/Getty Images)

Prime Minister of Ethiopia Abiy Ahmed (unseen), President of Kenya William Ruto (unseen) and Chief of Kenya Defence Forces General Francis Ogolla look on while inspecting a guard of honour by members of the Kenya Defence Forces (KDF) during his official state visit to State House in Nairobi, on February 28, 2024. (Photo by LUIS TATO / AFP) (Photo by LUIS TATO/AFP via Getty Images) (LUIS TATO/AFP/Getty Images)

Luiza Vilela
Luiza Vilela

Repórter de POP e Redatora da Homepage

Publicado em 18 de abril de 2024 às 15h31.

Última atualização em 18 de abril de 2024 às 15h54.

Tudo sobreQuênia
Saiba mais

Nesta quinta-feira, 18, o chefe das Forças Armadas do Quênia, Francis Ogolla, morreu em uma queda de helicóptero no condado de Elgeyo Marakwet, cerca de 400 quilômetros a noroeste da capital, Nairóbi, do país africano. Outros nove oficiais também morreram e dois ficaram feridos no acidente, segundo informações do próprio presidente, William Ruto, que anunciou a notícia na TV estatal do Quênia.

Os outros dois oficiais, sobreviventes, estão internados em estado grave. “Estou profundamente triste em anunciar o falecimento do General Francis Omondi Ogolla, Chefe das Forças de Defesa do Quênia”, disse Ruto.

O helicóptero caiu logo após a decolagem na tarde de hoje, às 14h20 no horário local. Uma equipe de investigadores foi enviada ao local do acidente, no condado de Elgeyo Marakwet, para determinar a causa da queda.

Seita de jejum no Quênia: o que se sabe sobre as mais de 400 mortes

“Como Comandante-em-Chefe das Forças de Defesa do Quénia, esse é um momento trágico para a fraternidade das Forças de Defesa. Um dia muito infeliz para a nação em geral”, complementou.

O país entra em luto por três dias, a partir de sexta-feira, 19. Os outros oficiais mortos na queda eram oficiais militares superiores, Brig Swale Saidi, Coronel Duncan Keittany, Tenente-coronel David Sawe, Major George Benson Magondu, Capitão Sora Mohamed, Capitão Hillary Litali, Snr Sgt John Kinyua Mureithi, Sgt Cliphonce Omondi e Sargento Rose Nyawira.

Reunião de urgência

De acordo com o anúncio do presidente, Ogolla havia partido de Nairóbi para visitar as tropas na região do Rift Norte do Quênia. Ele inspecionaria as reformas em andamento de escolas que estavam fechadas após ataques de bandidos. Eles também visitariam oficiais militares destacados para estabilizar a região.

O Quênia está em conflito com grupos criminosos há anos, mas nos últimos meses viu piora na manutenção da segurança pública.

Logo após o acidente, segundo o porta-voz do presidente, Hussein Mohamed, William Ruto convocou uma reunião urgente do Conselho de Segurança Nacional do Quênia em Nairobi.

Acompanhe tudo sobre:Quêniaacidentes-de-aviaoHelicópteros

Mais de Mundo

Bombardeios continuam em Rafah, mesmo com chegada de emissário dos EUA a Israel

Irã inicia buscas por helicóptero do presidente Raisi após 'acidente'

Beyond Expo, em Macau, reúne 30 mil pessoas em feira tech que conecta a China ao mundo

Helicóptero com o presidente do Irã faz 'pouso forçado', diz TV estatal

Mais na Exame