Mundo

'Castelo de Harry Potter' é destruído por míssil russo na Ucrânia

Ataque resultou na morte de cinco pessoas

Ataque russo destrói 'Castelo do Harry Potter' em Odessa, na Ucrânia.  (Victor Sajenko/AP)

Ataque russo destrói 'Castelo do Harry Potter' em Odessa, na Ucrânia. (Victor Sajenko/AP)

Publicado em 30 de abril de 2024 às 08h09.

Ao menos cinco pessoas morreram e mais de 30 ficaram feridas após um ataque russo à cidade ucraniana de Odessa. Além disso, uma construção conhecida como 'castelo de Harry Potter', à beira do Mar Negro, foi atingida.

O prédio compõe a Academia de Direito de Odessa. As torres do edifício, erguidas em estilo gótico, foram queimadas em um incêndio considerado grave pelas autoridades. O local é chamado de 'castelo de Harry Potter' por lembrar o estilo do castelo de Hogwarts, conhecida escola de magia da série de livros.

De acordo com a BBC, a academia é dirigida pelo ex-deputado Serhiy Kivalov, que vive no local e se encontra entre os feridos.

'Todos os serviços, incluindo o Serviço de Emergência do Estado, estão empenhados em lidar com as consequências desse ataque com mísseis, mais um trágico crime de guerra’, declarou Dmytro Pletenchuk, porta-voz das Forças de Defesa do Sul da Ucrânia.

Na rede social X, é possível assistir a um vídeo da construção em chamas.

Segundo relatos iniciais, moradores não tiveram tempo suficiente para buscar abrigo na região, já que os alertas de ataques aéreos apenas soaram quando os mísseis atingiram o local.

A investida acontece em um momento no qual a Ucrânia está à espera de suprimentos militares fornecidos sobretudo pelo Ocidente. De acordo com o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, as provisões começaram a chegar a um ritmo lento.

Acompanhe tudo sobre:UcrâniaRússiaHarry Potter

Mais de Mundo

Países Baixos abrem eleições da UE e duelos com a extrema direita

Migrantes continuam cruzando fronteira dos EUA, apesar das novas restrições de Biden

Governo brasileiro condena "nos mais fortes termos" bombardeio de Israel a escola da ONU

Steve Bannon: Juiz ordena que aliado de Trump se apresente até 1º de julho à prisão

Mais na Exame