Bukele vence eleições municipais, último elo do poder em El Salvador

Partido Novas Ideias governará a maioria das 14 capitais departamentais, incluindo a capital San Salvador, onde o prefeito Mario Durán, de 40 anos, foi reeleito

Com 90% das cadeiras no Congresso conquistadas, Bukele tem votos suficientes para aprovar facilmente qualquer projeto de lei (MARVIN RECINOS/AFP)
Com 90% das cadeiras no Congresso conquistadas, Bukele tem votos suficientes para aprovar facilmente qualquer projeto de lei (MARVIN RECINOS/AFP)
AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 4 de março de 2024 às 08h47.

Última atualização em 4 de março de 2024 às 09h02.

O presidente reeleito de El Salvador, Nayib Bukele, que também controla o Congresso, conquistou o último elo do poder após vitória de seus aliados em 43 dos 44 conselhos municipais, nas eleições organizadas no domingo, 4, e que registraram baixa participação

Na disputa, Novas Ideias e "os partidos que apoiam nosso projeto: 43 de 44", anunciou Bukele na rede social X.

Assim como aconteceu nas eleições gerais de 4 de fevereiro, Bukele reivindicou a vitória antes do anúncio dos resultados pelo Tribunal Supremo Eleitoral (TSE). O TSE divulgou os primeiros dados preliminares da disputa municipal durante a noite de domingo.

Como fica o governo?

O partido Novas Ideias governará a maioria das 14 capitais departamentais, incluindo a capital San Salvador, onde o prefeito Mario Durán, de 40 anos, foi reeleito.

"As eleições aconteceram em completa normalidade, sem dificuldades, em um ambiente de paz", declarou a presidente do TSE, Dora Esmeralda Martínez, poucos minutos antes do fim do horário da votação.

No total, 6,2 milhões de eleitores estavam registrados para votar nas eleições municipais, consideradas um mero "trâmite protocolar" depois da vitória esmagadora de Bukele nas eleições gerais de 4 de fevereiro, nas quais o seu partido Novas Ideias também conquistou 54 dos 60 cadeiras no Congresso.

Para Bukele, "o povo é sábio" e alguns dos novos prefeitos pertencem a partidos que sempre apoiaram "todas as mudanças" que o país necessitava, mesmo antes de sua vitória à presidência em 2019.

"Em El Salvador vivemos em uma democracia e a decisão do povo é respeitada. Está claro que em muitos municípios as pessoas votaram em prefeitos que não são do Novas Ideias. É um voto de castigo pelas péssimas gestões de alguns deles", declarou o presidente.

Situação no Congresso

Com 90% das cadeiras no Congresso conquistadas, Bukele tem votos suficientes para aprovar facilmente qualquer projeto de lei, definir juízes do Supremo Tribunal e o procurador-geral e manter o estado de exceção com o qual combate as gangues desde há dois anos.

Beneficiado por sua cruzada contra as gangues, Bukele foi reeleito com 84,65% dos votos.

A alta popularidade de Bukele é resultado de sua campanha contra a criminalidade, que acumula mais de 75.000 detidos e devolveu a paz às ruas do país.

Embora a cruzada seja questionada por organizações humanitárias, favoreceu o seu partido Novas Ideias nestas eleições, nas quais também foram eleitos 20 deputados para o Parlamento Centro-Americano.

Em junho de 2023, o Congresso reduziu os municípios de 262 para 44, uma reforma que beneficia o partido no poder.

A diretora da missão de observação eleitoral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Isabel de Saint Malo, afirmou que a taxa de participação na votação de domingo foi reduzida.

Segundo o TSE, a participação nas duas últimas eleições municipais e legislativas foi de 53,39% em 2021 e 53,29% em 2018.

Acompanhe tudo sobre:El SalvadorCongressoTSE

Mais de Mundo

Detroit vai de falida à liderança do boom imobiliário nos EUA

Novas regras entram em vigor para obtenção da cidadania portuguesa

Mais de 110 pessoas são sequestradas por supostos jihadistas no Mali

Julgamento de Donald Trump entra em fase decisiva

Mais na Exame