Biden 'considera' novas sanções à Rússia após morte do opositor Navalny

Presidente norte-americano responsabilizou Vladimir Putin pelo óbito do político russo

Joe Biden: Presidente dos Estados Unidos enfrenta grandes problemas em seu governo (Andrew Caballero-Reynolds/AFP)

Joe Biden: Presidente dos Estados Unidos enfrenta grandes problemas em seu governo (Andrew Caballero-Reynolds/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 19 de fevereiro de 2024 às 14h43.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, está "considerando sanções adicionais" contra a Rússia após a morte do líder da oposição Alexei Navalny em uma prisão no Ártico, disse aos jornalistas nesta segunda-feira, 19.

"Já existem sanções, mas estamos considerando sanções adicionais, sim", disse Biden, que responsabilizou diretamente o presidente russo, Vladimir Putin, e os seus "bandidos" pela morte de Navalny.

Navalny morreu na sexta-feira em circunstâncias desconhecidas, aos 47 anos, em uma prisão russa no Ártico, o que deixou a oposição russa no exílio em choque.

Biden e outros aliados ocidentais já impuseram sanções sem precedentes para conter as ações de Moscou na guerra com a Ucrânia, embora não tenham conseguido conter o conflito.

No entanto, as dúvidas sobre o futuro compromisso de Washington com Kiev aumentaram recentemente. Com o financiamento dos EUA já esgotado, os aliados republicanos do ex-presidente Donald Trump na Câmara dos Representantes paralisaram 60 bilhões de dólares (298 bilhões de reais na cotação atual) em nova ajuda militar.

Trump, o provável candidato do partido nas eleições presidenciais de novembro, se opõe à ajuda à Ucrânia e recentemente usou a sua influência para anular um projeto de lei de reforma migratória, que também incluía assistência adicional a Kiev.

Biden voltou a criticar os republicanos nesta segunda-feira pela não aprovação do pacote de ajuda.

"A forma como se afastam da ameaça da Rússia, a forma como se afastam da Otan, a forma como se afastam do cumprimento das nossas obrigações, é simplesmente chocante", disse ele.

No entanto, garantiu que ficaria feliz em se reunir com o líder republicano Mike Johnson, presidente da Câmara de Representantes, que disse aos jornalistas que não tem intenção de sequer permitir a votação do projeto.

"É claro que adoraria encontrá-lo, se ele tiver algo a dizer", disse Biden. Ele acrescentou que espera que a morte de Navalny faça diferença na aprovação da ajuda, mas alertou que "não tem certeza".

Mais de Mundo

Borrell anuncia novas sanções da UE ao programa de drones e mísseis do Irã

Trump orquestrou 'esquema criminoso' para influenciar eleições em 2016, diz promotoria em julgamento

UE garante continuidade da ajuda à Ucrânia, mas não se compromete

Detroit vai de falida à liderança do boom imobiliário nos EUA

Mais na Exame