Mundo

Atentado em Paris: autor 'assume' os fatos e diz que teria agido 'sozinho'

Responsável pelo ataque é um franco-iraniano de 26 anos que estava a serviço do Estado Islâmico

Forças policiais próximas ao local do atentado em que morreu um turista, na área da Torre Eiffel, em Paris (Clara WRIGHT, Tiphaine LE LIBOUX, Sabine COLPART/AFP Photo)

Forças policiais próximas ao local do atentado em que morreu um turista, na área da Torre Eiffel, em Paris (Clara WRIGHT, Tiphaine LE LIBOUX, Sabine COLPART/AFP Photo)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 4 de dezembro de 2023 às 13h32.

Última atualização em 4 de dezembro de 2023 às 13h35.

O homem radicalizado que esfaqueou até a morte um turista em Paris, perto da Torre Eiffel, no sábado, 2,  "assume e reivindica plenamente o seu gesto", informou nesta segunda-feira, 4, uma fonte próxima da investigação, especificando que "tudo sugere que agiu sozinho". 

Armand Rajabpour-Miyandoab – um franco-iraniano de 26 anos que recentemente jurou lealdade ao Estado Islâmico – também afirmou durante a sua detenção que agiu em "reação à perseguição de muçulmanos em todo o mundo". Ele parece "muito frio" e "clínico", acrescentou esta fonte.

A mãe do agressor havia manifestado preocupação no final de outubro com o comportamento do seu filho, autuado por radicalização e libertado em 2020 após uma pena de 5 anos de prisão por um projeto de ação violenta. Ele havia sido submetido a uma ordem de tratamento médico.

"Houve claramente uma falha psiquiátrica, os médicos consideraram em diversas ocasiões que ele estava melhor", disse o ministro do Interior francês, Gérald Darmanin, à BFMTV.

O ataque ocorreu perto da Torre Eiffel na noite de sábado, poucos meses antes dos Jogos Olímpicos de Paris e em um momento em que o país permanece em alto nível de alerta devido ao aumento das tensões pela guerra entre Israel e o Hamas.

Rajabpour-Miyandoabun disse em árabe em um vídeo que estava prestando "seu apoio aos jihadistas que operam em diversas áreas", disse o promotor antiterrorismo Jean-François Ricard no domingo.

A sua conta na rede social X incluía "inúmeras publicações sobre o Hamas, Gaza e, de forma mais geral, sobre a Palestina", acrescentou.

Transtornos psiquiátricos

O turista assassinado, de 23 anos e de nacionalidade alemã e filipina, recebeu "duas marteladas e quatro facadas", disse a mesma fonte.

Rajabpour-Miyandoabun também atacou, com um martelo, dois homens, um francês de 60 anos e um britânico de 66 anos, ambos com ferimentos leves. A polícia usou uma arma de choque para imobilizá-lo.

O Ministério Público federal alemão informou, nesta segunda-feira, que abriu uma investigação sobre o ataque, justificada pela nacionalidade alemã da vítima.

A mãe do agressor havia informado às autoridades que estava preocupada com o comportamento do filho, segundo o promotor.

Os serviços policiais tentaram fazer com que ele fosse reexaminado por um médico e hospitalizado, mas isso não foi possível porque não havia transtornos, disse uma fonte próxima ao caso. Poucos dias depois desta notícia, a mulher disse que ele "estava melhor", segundo a mesma fonte.

"Originário de uma família sem compromisso religioso", Rajabpour-Miyandoab converteu-se ao islã aos 18 anos, em 2015, e "muito rapidamente" recorreu à "ideologia jihadista", segundo o promotor.

"A criação desta conta na rede X no início de outubro, e a preocupação da mãe no mesmo mês, podem nos fazer pensar em um ato preparado há várias semanas", analisou outra fonte próxima ao caso.

Investigação

Os investigadores agora se concentrarão no acompanhamento médico do agressor, um homem com um "perfil muito instável e muito influenciável", disse uma fonte de segurança à AFP.

Durante sua detenção, segundo Ricard, ele foi submetido a acompanhamento psiquiátrico rigoroso e controlado por um médico coordenador. "Esse monitoramento foi efetivo até o fim de sua análise, em 26 de abril de 2023", acrescentou.

Cerca de 5.200 pessoas estão radicalizadas na França, das quais 1.600 são especialmente monitoradas pela Direção-Geral de Segurança Interna (DGSI), segundo uma fonte do serviço de informação, que especifica que 20% destas 5.000 pessoas sofrem de transtornos psiquiátricos.

Acompanhe tudo sobre:Atentados em ParisParis (França)CrimeTerrorismoEstado IslâmicoConflito árabe-israelense

Mais de Mundo

“Davos in the Desert” arrives in Rio to search for opportunities between Brazil and Saudi Arabia

“Davos do deserto” chega ao Rio com foco nas oportunidades entre Brasil e Arábia Saudita

Eleições dos EUA terão semanas decisivas; entenda o que estará em jogo

Partido Conservador francês propõe aliança com extrema direita para eleições no Parlamento

Mais na Exame