As empresas que “evaporam” pessoas no Japão; entenda

Milhares de cidadãos japoneses buscam ajuda para desaparecer do mapa e deixar suas identidades para trás. Estes são chamados de "johatsu"

A cultura no Japão é repleta de rituais. Não é novidade que a sociedade japonesa preza pela honra e que o fracasso mata de “vergonha”. Em um país tão desenvolvido econômica e tecnologicamente, dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) emitem um sinal de alerta: é o quinto lugar no mundo com a maior taxa de suicídio ao ano, segundo levantamento. Pelo menos 800.000 pessoas tiram a própria vida no mundo uma pessoa a cada 4 segundos ; um número superior a óbitos por câncer de mama, malária, homicídio e até guerra.  Segundo a OMS, “um grave problema de saúde pública”.

O fato de a sociedade japonesa achar mais honrado se suicidar a ter de conviver com algum tipo de vergonha ou embaraço considerado “fracasso”, seja por um casamento ou sociedade desfeita, pela falência, dívidas, uma promessa não cumprida, o desemprego, e até por não ter entrado em uma universidade, reforçam o ranking em comparação a outros países.

Porém, existe uma categoria entre o vivo e o suicida. Denominada johatsu, ou os “evaporados“, milhares de cidadãos japoneses buscam ajuda de empresas clandestinas para desaparecer do mapa e deixar suas identidades para trás. Estes, saem de circulação para buscar refúgio no anonimato.

O governo japonês não disponibiliza números oficiais sobre os johatsu, porém, estima-se que entre 100.000 a 185.000 japoneses recorram ao método anualmente. Essa fuga é de certa forma muito fácil no país, já que as leis de privacidade japonesa dão aos cidadãos liberdade para manter seus dados em segredo. Apenas em casos onde houve crime é que a polícia do país investiga os movimentos. Pessoas desaparecidas podem sacar dinheiro em caixas eletrônicos e não serem descobertas, assim como membros da família não podem acessar vídeos de câmeras de segurança, para tentar descobrir o paradeiro ou o dia e a hora em que seu ente fugiu. Aos familiares fica a dúvida se foi um caso voluntário ou não, assim como o sentimento de abandono.

Para suprir a demanda, existem empresas semiclandestinas para facilitar a evaporação para locais que concentram especificamente os evaporados. Para sinalizar a natureza secreta para quem decide se tornar um johatsu, a operação é chamada de “mudança noturna“. Essas empresas retiram a pessoa de sua vida de forma discreta sem deixar rastros e ainda oferecem hospedagem em locais remotos e distantes.

Segundo matéria da BBC, Sho Hatori é um dos empresários no ramo. Com uma empresa fundada na década de 1990, o motivo de se dedicar ao negócio é ajudar pessoas a ter uma segunda chance e começar uma segunda vida. Segundo o sociólogo Hiroki Nakamori, um estudioso do fenômeno, o termo começou a ser usado na década de 1960 para descrever pessoas que decidiram desaparecer. Com taxas baixas de divórcio no país na época e até os dias de hoje, ainda sim o tema é um tabu. Algumas pessoas preferem abandonar seus companheiros do que passar pelo processo de separação formal. Outras, fogem de relacionamentos abusivos, e enxergam no sumiço a única porta de saída.

Muitas das empresas que cuidam da evaporação sem deixar rastros são formadas pelos próprios johatsus, que estão sumidos há décadas.

O termo “evaporados” está ligado a uma ideia de que os vapores dos banhos públicos, os onsen, são propícios ao desaparecimento. Neles, a pessoa se banha antes da submersão nas piscinas fumegantes. Segundo a literatura japonesa do século 17, são locais para purificação física e filosófica.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.