Mundo

As 10 cidades mais caras do mundo

Estudo do banco suíço UBS mostra que Oslo, capital norueguesa, é a cidade mais cara, e que viver em Los Angeles é mais barato do que em São Paulo

Oslo, Noruega (Wikimedia Commons)

Oslo, Noruega (Wikimedia Commons)

DR

Da Redação

Publicado em 8 de setembro de 2011 às 17h36.

São Paulo – Uma pesquisa feita pelo banco suíço UBS mostra que Olso, a capital da Noruega, é a cidade mais cara do mundo. Para chegar ao resultado o estudo pesquisou os preços de 112 tipos de serviços e mercadorias em 73 grandes cidades mundiais.

Atrás da capital nórdica estão as cidades suíças de Zurique e Genebra. O estudo do UBS começou em 2009 e é atualizado anualmente. Ele mostra que estas três cidades têm os maiores níveis de custo de vida do mundo, mas também pagam os melhores salários. Zurique, Genebra, Copenhagen e Oslo são as cidades onde os trabalhadores ganham melhor.

Boa parte do aumento e manutenção dos elevados custos de vida nestas cidades se explica, segundo o estudo, pelo enfraquecimento do dólar frente a diversas moedas. Por outro lado, Nova York, que no ano passado esteve entre as 10 mais caras, devido à recessão, este ano, está no 14º lugar.

Na outra ponta da lista, Mumbai (Índia), Manila (Filipinas), Nairóbi (Quênia) e Jacarta (Indonésia) aparecem como as cidades mais baratas do mundo. Duas cidades brasileiras estão na lista: São Paulo, na 19ª posição e Rio de Janeiro, na 26ª. Elas têm custo de vida superior ao de cidades como Amsterdam (29ª), Madrid (30ª) e Los Angeles (31ª).

Veja nas fotos ao lado quais são as cidades mais caras do mundo.

Acompanhe tudo sobre:cidades-brasileirasCusto de vidaEuropaListasMetrópoles globaisNoruegaPaíses ricosRankingsRio de Janeirosao-paulo

Mais de Mundo

Foto inédita de William com os filhos, tirada por Kate, é publicada para celebrar Dia dos Pais

Exército israelense anuncia pausa diária nas operações em uma região de Gaza

Cúpula pela paz na Suíça reafirma integridade da Ucrânia, mas pede negociações com a Rússia

Brasil é 3º país mais inseguro da América do Sul, diz Global Peace Index

Mais na Exame