Mundo

Argentina formaliza interesse em ser 'parceiro global' da Otan

A aliança militar transatlântica conta com um restrito grupo de nove países considerados parceiros globais; a Colômbia é a única nação latino-americana a alcançar esta condição em 2018

Argentina: a abordagem da Argentina à Otan faz parte da nova orientação do governo do ultraliberal Javier Milei acerca das relações exteriores do país (Juan MABROMATA/AFP)

Argentina: a abordagem da Argentina à Otan faz parte da nova orientação do governo do ultraliberal Javier Milei acerca das relações exteriores do país (Juan MABROMATA/AFP)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 18 de abril de 2024 às 15h04.

Tudo sobreArgentina
Saiba mais

O ministro argentino da Defesa, Luis Petri, apresentou à Otan nesta quinta-feira, 18, uma "carta de intenção" para que o país se torne um "parceiro global" da aliança militar, anunciou ele na rede social X.

"Reuni-me com Mircea Geoana, vice-secretário-geral da Otan. Apresentei-lhe a carta de intenção que expressa a solicitação da Argentina em se tornar um parceiro global desta organização", publicou. "Continuaremos trabalhando em recuperar vínculos que permitam modernizar e capacitar nossas forças ao padrão da Otan", acrescentou.

Em comunicado, Geoana observou que "a Argentina desempenha um papel importante na América Latina e saúdo o pedido de hoje para explorar a possibilidade de se tornar um parceiro da Otan".

Lula promete apoio à inclusão da Colômbia no Brics após revés com a Argentina

A nota afirma que qualquer decisão sobre uma associação formal requer o "consenso dos 32 membros" da aliança militar. Petri também se reuniu com o vice-secretário-geral para Assuntos Políticos da Otan, o espanhol Javier Colomina.

Composição da Otan

Atualmente, esta aliança militar transatlântica conta com um restrito grupo de nove países considerados parceiros globais. A Colômbia é a única nação latino-americana a alcançar esta condição em 2018.

A abordagem da Argentina à Otan faz parte da nova orientação do governo do ultraliberal Javier Milei acerca das relações exteriores do país.

Na terça-feira, Petri esteve na Dinamarca, onde formalizou em nome da Argentina a compra, por aproximadamente US$ 300 milhões (R$ 1,5 milhão na cotação atual), de 24 caças F-16 de fabricação americana.

Este aviões de combate deverão substituir uma frota da aeronave francesa Mirage, que a Força Aérea Argentina retirou de operação em 2017 após 40 anos de serviço.

Acompanhe tudo sobre:OtanArgentinaJavier Milei

Mais de Mundo

Bandeira invertida coloca Suprema Corte dos EUA em apuros

Primeiro-ministro eslovaco passa por nova cirurgia e segue em estado grave

Vaticano alerta contra episódios imaginários relacionados a milagres e aparições

Governo Biden quer reclassificar maconha como droga de menor risco

Mais na Exame