Mundo

Argentina busca apoio do México para fortalecer esquerda na América Latina

Desde o ano passado, a revolta com a corrupção, a desigualdade e a pobreza expulsaram conservadores do México e da Argentina

Fernández e Obrador: perspectiva de uma esquerda latino-americana mais unida cresceu na segunda-feira (Divulgação/Reuters)

Fernández e Obrador: perspectiva de uma esquerda latino-americana mais unida cresceu na segunda-feira (Divulgação/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 5 de novembro de 2019 às 13h13.

Cidade do México — A perspectiva de uma esquerda latino-americana mais unida cresceu na segunda-feira, quando o presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández, e o presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, debateram a retomada de uma alternativa diplomática regional à Organização dos Estados Americanos (OEA), que é vista como influenciada pelos Estados Unidos.

Os países latino-americanos vêm oscilando entre governos de esquerda e conservadores, muitas vezes com políticas econômicas e sociais radicalmente diferentes, nas últimas décadas.

Desde o ano passado, a revolta com a corrupção, a desigualdade e a pobreza expulsaram conservadores do México e da Argentina e atiçaram protestos que forçaram o Equador e o Chile a amenizar políticas econômicas liberais nas últimas semanas.

O presidente eleito argentino aproveitou sua primeira visita ao exterior desde que conquistou o cargo no mês passado para proclamar uma nova era de cooperação de esquerda, em uma tentativa aparente de demonstrar que não ficará isolado na região, apesar de o Brasil ter um governo de direita liderado pelo presidente Jair Bolsonaro.

 

 

"Estou determinado a unir a América Latina novamente, a voltar a unir forças para enfrentar o desafio da globalização de outra maneira", disse Fernández a repórteres no palácio presidencial do México depois de se reunir com López Obrador.

No ano que vem, o México assumirá a presidência da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), entidade regional estabelecida pela Venezuela durante o governo do falecido presidente Hugo Chávez que perdeu influência nos últimos anos.

"Esta é uma chance de fortalecer um dos organismos, um dos espaços de integração que foram esquecidos recentemente", disse Fernández sobre a Celac, vista por alguns da esquerda como um contrapeso à OEA -- que argumentam ser um veículo da influência dos Estados Unidos na América Latina.

Acompanhe tudo sobre:Alberto FernándezArgentinaMéxico

Mais de Mundo

Para aumentar inovação, Xangai emite regulamento para gestão de projetos de tecnologias disruptivas

Aprovação de Lei de Bases marca nova fase de Milei, diz analista argentino

Irã está expandindo suas capacidades nucleares, diz agência de energia atômica da ONU

Inflação na Argentina cai pela metade e atinge 4,2% em maio

Mais na Exame