Mundo

Advogados de Berlusconi negam suborno a testemunhas

Ação pode levar a uma nova dor de cabeça legal para Berlusconi, que nesta semana teve seu mandato de senador cassado


	Silvio Berlusconi: Berlusconi defendeu pagamentos feitos às mulheres que frequentavam festas do ex-prêmie dizendo que é de sua natureza ajudar pessoas que precisam
 (Gabriel Bouys/AFP)

Silvio Berlusconi: Berlusconi defendeu pagamentos feitos às mulheres que frequentavam festas do ex-prêmie dizendo que é de sua natureza ajudar pessoas que precisam (Gabriel Bouys/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 29 de novembro de 2013 às 15h04.

Roma - Os advogados de Silvio Berlusconi disseram que as acusações de um tribunal de Milão de que o ex-primeiro-ministro pagou testemunhas para falar a seu favor num caso sobre festas envolvendo prostitutas (descritas pelo próprio Berlusconi como "Bunga bunga") são "totalmente fora da realidade e de comprovação".

Os advogados Niccolo Ghedini e Piero Longo afirmaram que "não há qualquer conexão" entre a reunião, realizada em janeiro de 2011, que eles tiveram com as mulheres que frequentavam as festas e os pagamentos que 2.500 euros mensais que elas começaram a receber um ano mais tarde.

As mulheres foram testemunhas no julgamento de três ex-parceiros de Berlusconi acusados de buscar mulheres para se prostituir nas festas do ex-premiê. As mulheres negaram que as festas tivessem conotação sexual. Os juízes as acusaram de dar falso testemunho.

O tribunal enviou a documentação com a acusação para a promotoria, que deve investigar a possível corrupção de um processo judicial. A ação pode levar a uma nova dor de cabeça legal para Berlusconi, que nesta semana teve seu mandato de senador cassado após a condenação num caso de fraude fiscal.

O ex-premiê não era réu no caso de prostituição, mas foi condenado num outro julgamento por ter pago para fazer sexo com uma marroquina de 17 anos, Karima el-Mahroug, mais conhecida como Ruby, que participava das festas. Berlusconi tentou encobrir o caso. Seus advogados disseram que vão apelar da sentença de sete anos de cadeia e banimento da vida política.

Berlusconi defendeu os pagamentos feitos às mulheres dizendo que é de sua natureza ajudar pessoas que precisam. A maioria delas queria trabalhar em programas da emissora do ex-premiê, a Mediaset.

Muitas viviam em apartamentos de propriedade de Berlusconi, usavam joias dadas por ele e algumas até dirigiam carros que ele dera a elas como presente de aniversário.

Fonte: Associated Press.

Acompanhe tudo sobre:PersonalidadesPolíticosProcessos judiciaisSilvio Berlusconi

Mais de Mundo

Nova York aprova leis para limitar uso de redes sociais por jovens

Como a renda básica a moradores de rua fez essa cidade nos EUA poupar US$ 589 mil

Os EUA vão proibir antivírus Kaspersky no país por 'risco de segurança'; entenda

Bailarina americana doa US$ 50 para instituição da Ucrânia e pode ser presa; entenda

Mais na Exame