Mundo

Acordo troca prisioneiros por mulher de líder do EI

A Frente Nusra sequestrou os libaneses durante um ataque à cidade de Arsal junto ao grupo jihadista Estado Islâmico


	Membros da Frente Nusra: a Frente Nusra sequestrou os libaneses durante um ataque à cidade de Arsal
 (Divulgação/Nusra Front)

Membros da Frente Nusra: a Frente Nusra sequestrou os libaneses durante um ataque à cidade de Arsal (Divulgação/Nusra Front)

DR

Da Redação

Publicado em 1 de dezembro de 2015 às 09h12.

Beirute - A Frente Nusra, braço sírio da Al Qaeda, libertou nesta terça-feira 16 soldados e policiais libaneses sequestrados desde agosto de 2014, em um acordo mediado pelo Catar que também assegurou liberdade para uma ex-mulher do líder do Estado Islâmico, Abu Bakr Al-Baghdadi.

A Frente Nusra sequestrou os libaneses durante um ataque à cidade de Arsal junto ao grupo jihadista Estado Islâmico, que supostamente ainda mantém nove soldados presos.

Imagens ao vivo da TV na área fronteiriça entre Líbano e Síria mostraram os prisioneiros libaneses em veículos, acompanhados por homens com máscaras e fuzis e levantando a bandeira da Frente Nusra antes de libertá-los para a Cruz Vermelha.

Treze islâmicos que estavam em prisões libanesas, incluindo Saja Al-Dulaimi, ex-mulher de Baghdadi, foram libertados.

"Cumprimos o acordo inteiro com a Nusra. Recebemos nossos heróicos soldados e estamos voltando para Beirute", disse à Reuters a autoridade sênior da segurança libanesa Abbas Ibrahim, que supervisionou a troca. Os militantes da Frente Nusra gritaram "Deus é bom" enquanto chegavam para realizar a troca. A Frente Nusra matou quatro dos prisioneiros.

Acompanhe tudo sobre:Al QaedaCatarEstado IslâmicoIslamismoTerrorismo

Mais de Mundo

Julgamento de Trump entra em fase final, em meio a suspense sobre seu testemunho

Tensão entre Milei e Sánchez, primeiro-ministro da Espanha, se desdobra em crise diplomática

Tribunal em Londres autoriza Assange a apresentar recurso contra extradição para os EUA

Procurador do Tribunal Penal Internacional pede prisão de Netanyahu e líder do Hamas

Mais na Exame