Mundo

2023, um ano devastador de incêndios florestais

No Brasil, a área de hectares queimados neste ano era de 27,5 milhões até 23 de dezembro, abaixo da média da década 2012-2022 (31,5 milhões), de acordo com dados do GWIS

Somente no Canadá, 18 milhões de hectares foram devastados (Chico Ribeiro /Governo MT/Divulgação)

Somente no Canadá, 18 milhões de hectares foram devastados (Chico Ribeiro /Governo MT/Divulgação)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 27 de dezembro de 2023 às 13h37.

Última atualização em 27 de dezembro de 2023 às 13h46.

Os incêndios florestais em 2023 destruíram quase 400 milhões de hectares, ceifaram 250 vidas e liberaram 6,5 bilhões de toneladas de CO2 na atmosfera.

Incêndios no Canadá e um novembro difícil no Pantanal

O continente americano viveu este ano uma temporada recorde de incêndios florestais com cerca de 80 milhões de hectares queimados até 23 de dezembro, e 10 milhões de hectares a mais do que a média anual entre 2012 e 2022, segundo o Sistema Global de Informação sobre Incêndios Florestais (GWIS, na sigla em inglês).

Somente no Canadá, 18 milhões de hectares foram devastados.

No Brasil, a área de hectares queimados neste ano era de 27,5 milhões até 23 de dezembro, abaixo da média da década 2012-2022 (31,5 milhões), de acordo com dados do GWIS.

O Pantanal, a maior área úmida do mundo, foi atingido por incêndios recordes em novembro, com cerca de 4 mil focos, nove vezes a média histórica para este mês, segundo imagens de satélite do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Estes incêndios, muitos deles alimentados pelo tempo seco e quente causado pela mudança climática, revelaram-se "incontroláveis" e "a política de extinção foi ineficaz", disse à AFP Pauline Vilain-Carlotti, doutora em geografia e especialista na questão.

"Não temos mais condições de enfrentá-los com nossos meios humanos de luta. Daí a importância de atuarmos na prevenção", acrescenta.

Sobremortalidade

Noventa e sete mortos e 31 desaparecidos nos incêndios no Havaí em agosto, 34 mortos na Argélia, pelo menos 26 na Grécia. Este foi o ano mais mortal do século 21, com mais de 250 mortes, de acordo com a Emergency Events Database (EM-DAT) da Universidade católica de Leuven, na Bélgica.

"Uma sobremortalidade que corre o risco de aumentar nos próximos anos", com incêndios "que estão perigosamente próximos dos espaços urbanizados", afirma Vilain-Carlotti.

Em agosto, a cidade turística de Lahaina, em Maui, no Havaí, foi quase completamente devastada.

Este ano, além das áreas comumente expostas como a bacia do Mediterrâneo, a América do Norte e a Austrália, outros locais, até agora mais bem preservados — como o Havaí ou Tenerife — sofreram danos significativos.

6,5 bilhões de toneladas de CO2

Quanto mais os incêndios se multiplicam, menos tempo a vegetação terá para voltar a crescer, e mais florestas podem perder sua capacidade de absorver dióxido de carbono (CO2).

"Estudos recentes estimam que os incêndios reduzem o armazenamento de carbono em aproximadamente 10%", explica Solène Turquety, pesquisadora do Laboratório de Atmosferas, Mídia e Observações Espaciais (Latmos, na sigla em francês).

Ao ser atingida pelo fogo, as árvores liberam na atmosfera todo o CO2 que armazenaram.

Desde o início do ano, os incêndios florestais emitiram quase 6,5 bilhões de toneladas de dióxido de carbono, de acordo com o GWIS, frente aos 36,8 bilhões da utilização de combustíveis fósseis e de cimento.

Ao todo, cerca de 80% do carbono gerado pelos incêndio florestais é absorvido pela vegetação que volta a crescer na estação seguinte. Os 20% restantes contribuem para o aumento da acumulação de CO2 na atmosfera, alimentando o aquecimento global em uma espécie de ciclo.

Efeito imediato na saúde

Além do dióxido de carbono, os incêndios florestais e da vegetação liberam partículas nocivas, desde o monóxido de carbono até uma série de gases ou aerossóis (cinzas, fuligem, carbono orgânico, entre outros).

"Estas emissões alteram a qualidade do ar em centenas de quilômetros em caso de incêndios intensos", explica Turquety, destacando um "efeito imediato na saúde" que se soma à "destruição de ecossistemas, bens e infraestruturas".

De acordo com um estudo publicado em setembro na revista "Nature", as populações dos países mais pobres, principalmente da África Central, estão muito mais expostas à poluição atmosférica causada por estes incêndios do que as dos países desenvolvidos.

O caso africano

A África é o continente com mais hectares de queimadas desde o início do ano (cerca de 212 milhões), mas para Vilain-Carlotti não se deve "dar muito peso a estes incêndios africanos", pois tal número não reflete "grandes incêndios florestais".

A especialista explica que a maioria destes focos são em áreas agrícolas, uma prática que "não é particularmente prejudicial para os espaços florestais porque é feita de forma controlada" e rotativa.

Embora afetem a fauna e flora locais, em médio prazo "as árvores voltam a crescer novamente, permitindo o rejuvenescimento da vegetação e um aumento da diversidade da flora", acrescenta.

O potencial de regeneração das superfícies queimadas depende da frequência dos incêndios em uma mesma área e da intensidade dos mesmos.

Acompanhe tudo sobre:Incêndios

Mais de Mundo

Câmara baixa do Arizona aprova revogação de lei do século XIX que veta aborto em todos os casos

Premiê da Espanha enfrenta crise política após sua mulher ser investigada por corrupção

TikTok diz que recorrerá à Justiça após lei que pode proibi-lo nos EUA

EUA promete enviar ajuda militar à Ucrânia 'nas próximas horas'

Mais na Exame